Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

Frota, Joice e Kim se unem com a esquerda pelo impeachment de Bolsonaro

Documento conta com 44 signatários.

Os deputados Alexandre Frota (PSDB-SP), Joice Hasselmann (PSL-SP) e Kim Kataguiri (DEM-SP) dividiram espaço com a esquerda para apresentar um novo pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro.

Eleitos com votos do eleitorado do atual mandatário, os parlamentares anunciaram rompimento com o governo sob diversas alegações. Agora, eles formam um ‘superpedido’ ao lado do PT e outros partidos de espectro político da esquerda.

“Eu fui líder desse monstro”, discursou uma Joice, sob forte aplausos de congressistas da oposição e movimentos sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), já criticado por ela em ocasiões anteriores.

Kim Kataguiri, por sua vez, acusou o presidente da República de ser um criminoso.

“O governo Bolsonaro ultrapassou tanto o limite do razoável que, independentemente de ideologia política, movimentos e partidos se unem agora para pedir seu impeachment, porque foram tantos crimes cometidos. A negligência e insensibilidade diante da pandemia e agora de escândalo de corrupção com vacina”, disse o parlamentar ao portal Congresso em Foco.

Rejeição

Apesar de buscarem transmitir uma imagem sólida pós-saída da base do governo, os políticos que têm rompido com o chefe do Executivo têm sofrido forte danos políticos e eleitorais.

Joice, por exemplo, perdeu milhares de seguidores após o anúncio de ruptura.

Eleita com mais de 1 milhão de votos em 2018, a jornalista fez menos de 100 mil em 2020, na eleição para a prefeitura de São Paulo, ficando na sétima colocação.

Sem a adesão do eleitorado ‘bolsonarista’, ela chegou a 98.342 votos (1,84% das urnas apuradas), enquanto que há dois anos conquistou 1.064.047 eleitores na disputa pelo Parlamento.

Já com Kim Kataguiri, integrante do Movimento Brasil Livre (MBL), o resultado é semelhante.

Apesar de ainda registrar saldo considerável nas redes sociais, o engajamento dele tem recuado em relação aos anos anteriores.

O MBL, inclusive, desidratou no cenário político e continua enfrentando dificuldade para reunir grande número de participantes em seus atos contra o governo.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Comunicador destacou, entre outros pontos, os acenos da legenda em torno de países ditatoriais.

Política

Hashtag ocupou os 'Trending Topics' da rede social no país.

Política

Lançamento de conteúdos ocorrerá em fevereiro e visa melhorar estratégia de comunicação do partido.

Política

Usuários questionam projeções de adesão popular em torno do líder petista.