Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

Lira anuncia que PEC do ‘voto impresso auditável’ será analisada no plenário da Câmara

Decisão foi comemorada nas redes sociais.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), anunciou em pronunciamento nesta sexta-feira (6) que a PEC do voto impresso será levada para votação no plenário da Casa.

A informação foi antecipada pelo Conexão Política na tarde de hoje.

“Infelizmente, assistimos nos últimos dias [a] um tensionamento, quando a corda puxada com muita força leva os poderes para muito além de seus limites. A Câmara dos Deputados sempre se pauta pelo cumprimento do regimento e pela defesa da sua vontade, que é a expressão máxima da democracia”, afirmou Lira.

“Pela tranquilidade das próximas eleições e para que possamos trabalhar em paz até janeiro de 2023, vamos levar, sim, a questão do voto impresso para plenário, onde todos os parlamentares eleitos legitimamente pela urna eletrônica vão decidir. E eu friso: foram eleitos todos pela urna eletrônica”, disse, na sequência.

“Para quem fala que a democracia está em risco, não há nada mais livre, amplo e representativo que deixar o plenário manifestar-se. Só assim teremos uma decisão inquestionável e suprema, porque o plenário é a nossa alçada máxima de decisão, a expressão da democracia, e vamos deixá-lo decidir”, acrescentou.

O Conexão Política preparou uma matéria explicando o porquê de o texto do voto impresso ser conduzido ao plenário mesmo após o resultado negativo na comissão especial. Saiba mais aqui.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Congresso

Segundo Arthur Lira, texto entrará na pauta da Casa na semana que vem.

Congresso

Presidente da Câmara articula medida para conter avanço do valor do litro da gasolina e do gás.

Congresso

Ao lado de Bolsonaro, presidente da Câmara afirmou que "os governadores têm que se sensibilizar".

Congresso

Presidente da Câmara afirma que iniciativa foge ao escopo da CPI.