Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

Lira chama a Petrobras de ‘criança mimada’ e diz que o Brasil pode enfrentá-la

Presidente da Câmara sugeriu tributar lucro dos acionistas e investigar diretores.

Estevam Costa | PR

Em um artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo, o presidente da Câmara chamou a Petrobras de “criança mimada” e disse que a estatal tem “dupla personalidade”.

De acordo com Arthur Lira (PP-AL), o atual presidente da companhia, José Mauro Ferreira Coelho, não tem legitimidade e pratica “terrorismo corporativo” a fim de se vingar do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Na sexta (17), o parlamentar já havia sugerido que Coelho renunciasse ao mandato depois do anúncio de reajuste nos preços do diesel e da gasolina.

No texto publicado na Folha, Lira afirma que a empresa recebe tratamento privilegiado do Estado e se torna uma “selvagem capitalista” quando registra lucro bilionário sem focar na função social.

O congressista também defendeu que os lucros dos acionistas da estatal sejam tributados e ameaçou investigar diretores.

“A Petrobras é uma criança mimada, sempre tratada historicamente com excessiva complacência. Ela tem o direito de lucrar astronomicamente? Então a sociedade tem o dever de tributar mais os seus lucros, tratá-la com distanciamento”, diz o artigo.

Em uma quase declaração de guerra, o presidente da Câmara subiu o tom ao dizer que, se a Petrobras decidir enfrentar o Brasil, ela deve se preparar para o que o contrário também ocorra.

“Não queremos confronto, não queremos intervenção. Queremos apenas respeito da Petrobras ao povo brasileiro. Se a companhia decidir enfrentar o Brasil, ela que se prepare: o Brasil vai enfrentar a Petrobras. E não é uma ameaça. É um encontro com a verdade”, escreveu.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Governo

Indicado pelo governo federal, ele foi eleito com 7 votos favoráveis e 3 contrários.

Congresso

Nos bastidores, o clima de atrito vem diminuindo.

Política

Para a cúpula lulopetista, manobra tem viés político e servirá de bandeira para aliados de Bolsonaro.

Política

Base governista segue alinhada com os anseios do mandatário.