Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

Pacheco diz que impeachment de ministros do STF ‘não é recomendável’

Presidente do Senado afirmou que pauta de crescimento econômico ficaria prejudicada “com o esgaçamento das instituições”.

Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse nesta terça-feira (17) que a análise de processos de destituição contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) “não é recomendável” para o Brasil neste momento.

De acordo com o congressista, o foco do Legislativo deve ser a retomada do crescimento, que pode ser prejudicada “com o esgaçamento das instituições”. A declaração foi proferida ao jornal O Globo.

“A presidência [do Senado] entendeu que não havia ambiente nem justa causa para o encaminhamento e evolução desses pedidos porque entendemos que precipitarmos uma discussão de impeachment, seja do Supremo, seja do presidente da República, ou qualquer tipo de ruptura, não é algo recomendável para um Brasil que espera uma retomada do crescimento, uma pacificação geral, uma pauta de desenvolvimento, de combate à pobreza e ao desemprego”, declarou Pacheco, ao comentar sobre pedidos anteriores apresentados à Casa.

Ao ser questionado sobre a promessa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de encaminhar procedimentos contra Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, o parlamentar afirmou que é preciso aguardar o desenrolar da situação para saber se o fato vai se concretizar.

“Vamos aguardar os desdobramentos, naturalmente que toda iniciativa do presidente da República deve ser considerada, mas é melhor aguardar que os acontecimentos surjam para que haja um posicionamento formal do Senado”, respondeu.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

Ele poderá ocupar a cadeira na Suprema Corte pelos próximos 27 anos, até 2048.

Congresso

Ex-ministro da Justiça foi ouvido pelos congressistas durante 8 horas.

Judiciário

PDT, PCB e PSOL questionam dispositivos da lei sancionada em julho de 2020.

Congresso

Cúpula do colegiado entregará parecer de Renan Calheiros ao Tribunal Penal Internacional, em Haia.