Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

PEC do fim do foro privilegiado está engavetada na Câmara há 1.000 dias

Texto foi aprovado em comissão especial em dezembro de 2018 e não foi pautado para o plenário até agora.

Briza Mulatinho | Flickr

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que extingue o foro privilegiado atingiu nesta segunda-feira (6) uma marca simbólica. O texto está engavetado na Câmara dos Deputados há exatos 1.000 dias.

A proposição foi aprovada em comissão especial no dia 11 de dezembro de 2018. Desde então, aguarda para ser pautada no plenário pelo presidente da Casa – na época, Rodrigo Maia (sem partido), atualmente, Arthur Lira (PP-AL).

A PEC teve a tramitação finalizada no Senado em maio de 2017. O texto é de autoria do senador Álvaro Dias (Podemos-PR).

Segundo a coluna Radar, somente na atual legislatura já houve 30 pedidos registrados para incluir a matéria na pauta de votação, de parlamentares de 10 diferentes partidos.

De acordo com um estudo da Consultoria Legislativa do Senado, o atual foro privilegiado beneficia cerca de 54 mil pessoas no país.

O projeto engavetado na Câmara limita o privilégio a cinco autoridades: presidente da República, vice-presidente da República, presidente da Câmara, presidente do Senado e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

“A Câmara tem essa dívida com o Brasil. São mil dias em que só uma pequena parcela de corruptos comemora, contra uma imensa maioria de cidadãos honestos. O país é refém da corrupção, e votar o fim do foro é uma das medidas mais urgentes para libertar o Brasil de quem comete crimes e usa de privilégios para ficar impune. Será o começo de uma nova Justiça, em que todos serão iguais perante a lei”, declarou a deputada federal Renata Abreu (SP), presidente nacional do Podemos.

Comentários

FALE COMIGO: marcosrocha@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Congresso

Presidente da Câmara reuniu-se com presidente do Senado e ministro da Economia.

Congresso

Em agosto, Corte eleitoral entendeu que político deveria estar inelegível por 8 anos.

Congresso

Desligamento do cargo deverá ocorrer quatro anos antes do pleito e valerá a partir de 2026.

Congresso

Parlamentar considerou errado documento que trazia a localização correta do estado.