Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

PGR pede ao STF para aprofundar investigação que apura se Renan recebeu propina da Odebrecht

Senador é acusado de ter recebido R$ 1 milhão em propina da empresa em 2012.

Agência Brasil

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta segunda-feira (18) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para aprofundar as investigações do inquérito que apura se o senador Renan Calheiros (MDB-AL) recebeu R$ 1 milhão em propina da construtora Odebrecht em 2012.

As informações são do G1.

Conforme antecipou o Conexão Política em julho, a Polícia Federal concluiu inquérito aberto em 2017 e informou ao Supremo ter indícios de que Renan recebeu R$ 1 milhão em propina da Odebrecht em 2012.

No mesmo mês, no entanto, a PGR e a defesa de Calheiros se manifestam contra o indiciamento.

As investigações da PF sugerem que a suposta vantagem indevida foi quitada em 2012, em troca da aprovação de uma resolução no Senado em torno de benefícios autorizados pelos estados a produtos importados.

A partir de agora, a Procuradoria acionou o STF para que o Senado amplie informações sobre o ‘sinal verde’ da resolução e, consequentemente, informe a eventual atuação de Renan no caso, incluindo a possibilidade de emendas realizadas no texto em questão.

A PGR foi além, e solicitou dados referentes a Milton Lyra, nome apontado como suposto operador de Renan no caso. A Procuradoria quer quer que a Polícia Legislativa aponte registros de entrada e saída e os locais no Senado por onde o lobista passou.

Por fim, acionou empresas áreas para repassarem dados sobre os deslocamentos de Lyra entre maio e junho de 2012.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Congresso

Congressistas também encaminharam o parecer ao procurador-geral da República.

Congresso

Parlamentares querem a derrubada dos perfis do chefe do Executivo.

Congresso

Relatório final da CPI deve constar o líder do governo na Câmara.

Congresso

Déa Lúcia criticou o uso do nome do filho para narrativas políticas.