Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Governo

Bolsonaro sanciona alteração da LDO para bancar novo programa social

Auxílio Brasil, que substitui Bolsa Família, ainda depende de recursos.

Vismar Ravagnani | Flickr

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta terça-feira (5) o projeto que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021 com o objetivo de viabilizar o Auxílio Brasil, o novo programa social do governo federal que substituirá o Bolsa Família.

O texto autoriza a criação de programas de transferência de renda para o enfrentamento da pobreza e da extrema pobreza, tendo como medida compensatória proposições legislativas ainda em tramitação, como é o caso do projeto de alteração do Imposto de Renda e da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que parcela o pagamento de precatórios (dívidas do governo com sentença judicial definitiva).

Na prática, a nova redação da LDO permite a criação do programa antes que os recursos para custeá-lo tenham fonte certa. Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República informou que sanção não terá impacto no cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e que as medidas compensatórias deverão estar aprovadas no momento em que o novo programa social entrar em vigor.

Atualmente, o Bolsa Família atende cerca de 14,5 milhões de famílias com um benefício médio de R$ 190. O novo programa social pretende expandir o número de beneficiários para cerca de 17 milhões e aumentar o valor médio para algo em torno de R$ 300.

A pedido do Ministério da Economia, o chefe do Executivo vetou algumas alterações no texto aprovado pelo Congresso, por motivos orçamentários.

Uma delas diz respeito à determinação de liberação de pagamentos de obras de engenharia em parcela única e de liberação de pagamentos no caso de entes inscritos em cadastro de inadimplentes.

Segundo o governo, o dispositivo “poderia prejudicar a boa gestão fiscal e acabar por causar a paralisação de recursos, em alguns casos”.

Também foi vetado o dispositivo que permitiria que as emendas parlamentares não cumprissem o percentual mínimo de aplicação em ações e serviços públicos de saúde, o que poderia, na visão do Planalto, impactar o cumprimento do mínimo constitucional de gastos na saúde.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Declaração ocorreu neste domingo, 24, em Brasília.

Política

Maia diz que 'orgia fiscal' do atual governo torna presidente vulnerável.

Política

Governo tem demonstrado preocupação com o aumento da pobreza no país.

Governo

Presidente informou que o veto ocorreu após pareceres de ministérios.