Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Governo

Relação entre Brasil e China sempre foi de ‘alto nível’, afirma Mourão

Vice disse que ‘ruídos’ durante a pandemia não prejudicaram a diplomacia junto ao país comunista.

Romério Cunha | VPR

O governo brasileiro quer agregar valor a produtos exportados para a China, em especial, àqueles ligados a minério de ferro, soja e petróleo. Além disso, as diretrizes que estão sendo elaboradas nos planos bilaterais com o país comunista devem favorecer a abertura das relações e investimentos em setores como agricultura, saúde, infraestrutura, comércio, educação e sustentabilidade.

As afirmações acima são de Hamilton Mourão (Republicanos), vice-presidente da República. O general participou da 6ª sessão plenária da Comissão Sino-brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), nesta segunda-feira (23), no Palácio Itamaraty.

“Queremos agregar valor nas três commodities que mais exportamos para a China: soja e derivados, minério de ferro e petróleo. E queremos abertura para novos produtos. Hoje, discutimos a questão do trigo que será produzido na Bahia, no Ceará e em Roraima”, disse.

Mourão revelou ainda que o Brasil tentará se beneficiar de alguns fundos verdes criados pelos chineses. “Ano passado, eles criaram um fundo de apoio a ações de combate ao desmatamento visando a promoção do desenvolvimento sustentável da Amazônia. Estamos discutindo formas de termos acesso a esse fundo”, contou.

Após o encontro virtual, ele foi questionado por repórteres sobre a relação entre os dois países em meio a declarações do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre o regime chinês durante a pandemia. Ao responder, Mourão reconheceu que “houve alguns ruídos”, mas que as conversas diplomáticas sempre foram de “alto nível”.

“A questão do nosso relacionamento do Brasil e China é um relacionamento que vem se desenvolvendo no mais alto nível. De vez em quando sai algum ruído. Isso faz parte”, comentou.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

É a 1ª viagem do líder comunista para fora da China continental em mais de dois anos.

Mundo

Ideia é rivalizar com a Nova Rota da Seda, projeto chinês presente em mais de 100 nações.

Saúde

Todas hipóteses sobre surgimento do vírus permanecem à mesa, garantiu o diretor da entidade.

Mundo

No país comunista, o setor automotivo foi o mais afetado pelo fechamento da economia.