Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Governo

Guedes anuncia envio de esclarecimentos ao STF e à PGR: ‘Mentiras e ilações’ 

De forma voluntária, advogados entregarão documentos que comprovam afastamento de offshore em 2018.

Edu Andrade | Ascom | ME

Os advogados do ministro da Economia, Paulo Guedes, apresentarão à Procuradoria-Geral da República (PGR) e ao Supremo Tribunal Federal (STF) esclarecimentos de que ele se afastou da gestão da empresa offshore Dreadnoughts em dezembro de 2018, um mês antes de assumir a pasta.

Em nota oficial, a defesa negou que o ministro tenha atuado de forma a misturar interesses públicos com privados.

Assinado pelos advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso e enviado pela assessoria de imprensa do Ministério da Economia, o texto informou que os documentos a serem enviados aos dois órgãos mostram não ter havido nenhuma remessa ou retirada de valores para a companhia desde a posse como integrante do governo.

Os defensores também negaram que ele tenha se beneficiado de forma privada de qualquer decisão relativa à política econômica brasileira.

Segundo o comunicado, toda documentação e informação pessoal do ministro foi enviada à Comissão de Ética Pública e aos demais órgãos competentes, no início do mandato. A nota classificou de “ilações e mentiras” as acusações de que tenha usado o cargo para aumentar a fortuna pessoal.

O texto acrescenta que Guedes juntará todos os documentos necessários para demonstrar que não violou o Código de Conduta da Alta Administração Federal nem a Lei de Conflitos de Interesses.

O boletim ressalta que o ministro permanece à disposição das autoridades públicas e do Congresso Nacional para prestar esclarecimentos.

Nesta última terça-feira (5), a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou convocação para que Guedes detalhe a participação na offshore.

No Senado, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou o convite para que ele e o presidente do Banco Central, que manteve uma offshore no Panamá, apresentem explicações.

Na segunda-feira (4), a Procuradoria-Geral da República abriu uma investigação preliminar sobre o caso.

Ainda no domingo (3), Guedes e Campos Neto informaram que as offshores foram declaradas à Receita Federal, ao Banco Central, à Comissão de Ética Pública da Presidência da República e às demais autoridades competentes.

A existência das empresas no exterior, que não é crime, foi divulgada pelo Pandora Papers, investigação de um consórcio internacional de jornalistas com base em documentos vazados de 14 escritórios de advocacia.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Declaração ocorreu neste domingo, 24, em Brasília.

Judiciário

Corte definiu que trabalhador com acesso gratuito à Justiça não deve pagar honorários.

Congresso

Senador é acusado de ter recebido R$ 1 milhão em propina da empresa em 2012.

Judiciário

O resultado é de cinco votos a zero pela manutenção da prisão.