Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Governo

Paulo Guedes defende taxar super-ricos e cortar impostos de empresas

Ministro da Economia quer a reforma tributária avançando no Senado.

Edu Andrade | Min. da Economia

Para destravar a reforma tributária no Senado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira (9) que o governo pode apresentar uma versão “mais enxuta” do projeto com a proposta de aumento do imposto de renda sobre os super-ricos e redução dos encargos cobrados sobre as empresas.

“A hora é agora. Já aprovamos essa reforma na Câmara [dos Deputados], ela está travada no Senado. Podemos fazer uma versão mais enxuta, tributando os super-ricos e reduzindo o imposto sobre as empresas”, disse Guedes durante a apresentação de uma nova ferramenta para monitorar os investimentos no país.

O ministro defendeu ainda o fim de toda tributação sobre a indústria “para permitir que o Brasil, que tem todas as matérias-primas, seja uma potência mundial”. Ele disse que o governo já segue nesse caminho, e mencionou a redução no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), promovida via decretos publicados no fim do mês passado, segundo informações da Agência Brasil.

A fala do ministro ocorre depois de o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter suspendido, na sexta-feira (6), parte da redução do IPI, atendendo um pedido feito em ação ajuizada pelo partido Solidariedade.

A legenda alegou que a redução do tributo em todo o país para produtos que também são produzidos na Zona Franca de Manaus prejudicaria a vantagem competitiva e o desenvolvimento da região do Amazonas.

Comentários

FALE COMIGO: davy@conexaopolitica.com.br — chefe de redação do Conexão Política e natural do Rio de Janeiro (RJ).

Governo

Ministro disse que pode dar aumento se reforma administrativa for aprovada

Últimas

Paulo Guedes participou da abertura de fórum da Abras

Congresso

Intimação foi requisitada pelos deputados Luis Miranda e Subtenente Gonzaga.

Governo

Ministro voltou a defender a privatização de estatais como a Petrobras.