Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Argentina pede apoio do Brasil para renegociar dívida com FMI

A Argentina quer o apoio do Brasil para renegociar sua dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI), disse hoje (12) o ministro de Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto da Argentina, Felipe Solá, durante encontro com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, no Palácio do Itamaraty.

Na oportunidade, o ministro argentino classificou a viagem ao Brasil como um “marco de aproximação e amizade”, apesar de ter sido adiada “por outros fatores”.

“A missão que lidero tem como objetivo discutir o Mercosul e a agenda bilateral e outros temas, em uma conversa franca. Tem também a responsabilidade e o propósito de esclarecer o estado das coisas do atual governo argentino”, acrescentou Solá.

Segundo Solá, a Argentina vive uma “situação difícil”, com graves problemas de demanda interna e externa, queda no superavit e uma “dívida externa absurda” que teria por base um “sistema cambial irresponsável”.

Além disso, acrescentou, o país vizinho vive “uma inflação altíssima, com cifras astronômicas, se comparadas às do Brasil”. Para ele, essa situação precisa ser encarada “sem artifícios mágicos”.

Diante desse cenário, a Argentina tem buscado renegociar a dívida que tem com o FMI.

“Já fizemos visitas, na busca de apoio de países europeus. Pedimos também ao governo brasileiro que nos apoie nessa questão com o FMI, de forma a darmos o primeiro passo para um acordo. Queremos tempo para podermos crescer e pagar nossas dívidas”, disse o argentino.

Solá acrescentou que seu país tem atuado fortemente para superar pendências que tem na área agrícola e sanitária, visando à superação de barreiras comerciais.

Em discurso, o ministro Ernesto Araújo disse que o Brasil tem “convicção e expectativa” de contar com a parceria da Argentina em temas essenciais para o projeto de consolidação do Mercosul como plataforma de inserção na economia internacional.

“Temos interesse comercial de nos posicionarmos como polo de crescimento econômico; na determinação de trabalhar pela democracia na nossa região e na dimensão da segurança e combate ao crime organizado”, disse o ministro brasileiro.

De acordo com Araújo, Brasil e Argentina se reunirão com representantes de outros países no Canadá na semana que vem, para discutir como contribuir para a redemocratização da Venezuela.

“Na nossa conversa, falamos de nossa preocupação e empenho pela democracia. Temos aspiração democrática fundacional em nosso bloco. Nesse sentido decidimos contribuir para a transição democrática da Venezuela”, afirmou Araújo.

Com informações, Agência Brasil.

Comentários

FALE COMIGO: davy@conexaopolitica.com.br — chefe de redação do Conexão Política e natural do Rio de Janeiro (RJ).

Mundo

País caiu 58 posições em listagem com mais de 100 nações.

Economia

Desocupação no país foi a 9,8%, no mais baixo patamar desde 2016.

Últimas

Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública diz que país teve 130 mortes/dia em 2021.

Mundo

Bloco de economias emergentes tem hoje Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

----- CLEVER ADS -----