Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

China rejeita proposta da OMS para aprofundar investigação sobre origem da covid-19

Ditadura comunista se opõe ao plano de apuração da entidade.

O Partido Comunista da China (PCC) rejeitou a possibilidade de intervenção da Organização Mundial da Saúde (OMS) para dar andamento ao segundo ciclo do plano de investigação para entender as origens da Covid-19, em Wuhan.

Na semana passada, conforme antecipou o Conexão Política, a entidade solicitou que a China atuasse com total transparência. De acordo com o diretor-geral do órgão, Tedros Adhanom Ghebreyesus, as investigações sobre o surgimento da pandemia no território asiático estão sendo afetadas pela falta de elementos concretos sobre os primeiros dias da disseminação do vírus no local.

“Devemos isso aos milhões que sofreram e aos milhões que morreram para saber o que aconteceu”, sustentou.

Até o momento, a OMS não descarta a hipótese de o patógeno ter ‘vazado’ de algum laboratório situado em áreas da região. Apesar de diversos relatos apontarem para essa possibilidade, a ditadura chinesa tem classificado a desconfiança global como ‘absurda’, frisando que a ‘politização’ dificulta as investigações.

Em manifestação de repúdio, o vice-ministro da Comissão Nacional de Saúde da China, Zeng Yixin, disse que a comunidade chinesa não vai aceitar a iniciativa.

“Não aceitaremos este plano de rastreamento, pois, em alguns aspectos, ele ignora o bom senso e desafia a ciência”, garantiu, em entrevista coletiva.

“Esperamos que a OMS analise seriamente as considerações e sugestões feitas por especialistas chineses e trate a origem da covid-19 como uma questão científica, sem interferência política”, acrescentou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Mundo

Apoio ao etíope foi anunciado pelo Ministério da Saúde alemão.

Mundo

Ataque foi gravado pelas câmeras de segurança do escritório diplomático.

Mundo

Movimento ocorre após Pequim aplicar sanções a parlamentares britânicos.

Judiciário

Prejuízo aos cofres públicos é de aproximadamente R$ 2,8 milhões.