Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Ex-primeiro-ministro da Malásia: “Os muçulmanos têm o direito de ficar com raiva e matar milhões de franceses”

O ex-primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, fez uma declaração chocante, dizendo que os muçulmanos têm o direito de “matar milhões de franceses”, após um terrível ataque terrorista na manhã desta quinta-feira (29) em uma igreja católica de Nice, no sul da França.

Mahathir Mohamad escreveu no Twitter que “os muçulmanos têm o direito de ficar com raiva e matar milhões de franceses pelos massacres do passado”.

https://twitter.com/chedetofficial/status/1321765587530338304

Sua declaração veio em poucos instantes depois que três pessoas foram mortas por um terrorista muçulmano que gritava “allahu akbar”, expressão em árabe para “deus é grande”, na Catedral de Notre-Dame, em Nice. Uma das vítimas, uma mulher, foi decapitada.

Os comentários do ex-primeiro-ministro da Malásia foram ditos no contexto de um longo tópico no Twitter que tentou defender o ataque terrorista islâmico de hoje e a decapitação do professor de história francês, Samuel Paty, em outro ataque terrorista perto de Paris, por mostrar caricaturas de Maomé durante uma aula sobre liberdade de expressão.

A Malásia e a Turquia têm relações extremamente próximas, e o país do sudeste asiático foi um dos principais apoiadores dos ataques verbais do ditador turco, Recep Tayyip Erdoğan, contra o líder francês, Macron, nos últimos dias.

A cooperação entre a Malásia e a Turquia também se estende ao campo militar. No final do ano passado, os dois países assinaram novos pactos do setor.

Enquanto isso, após o ataque em Nice, outro homem ameaçou pessoas com uma arma de fogo, também gritando ‘allahu akbar’. Ele foi neutralizado pela polícia em Avignon, no sul da França.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Economia

Aumento está relacionado à expansão do comércio online, diz associação.

Política

Foram apreendidos quase R$ 2 milhões na residência de Adriana Belém

Política

Prazo também vale para pagamento da primeira cota

Política

Operação Calígula cumpre 29 mandados de prisão