Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Coluna

História real de Natal da Coreia do Norte: ‘não há lugar neste mundo’

Coreia do Norte

Pil-Soo (43) e Eun-Yeong (32) fugiram da Coreia do Norte, e na China, ouviram falar de Jesus e se converteram a Ele. São duas pessoas que, assim como nós, lembram a vinda de Jesus Cristo ao mundo. O Filho de Deus nasceu em um lugar simples e não apropriado para receber o Rei dos reis. Não havia lugar para Ele na estalagem, e Herodes queria matá-lo. Também para cristãos como Pil-Soo e Eun-Yeong, não há lugar neste mundo.

Assim como para nós, amanhã será 25 de dezembro para os cristãos da Coreia do Norte, da China e de tantos outros lugares onde a Igreja de Cristo é perseguida. Mas como é o Natal de nossos irmãos em Cristo nesses países?

Pil-Soo

Pil-Soo desliga o alarme do telefone celular e cuidadosamente coloca o dispositivo de volta na mesa de cabeceira. O antigo dispositivo Samsung é sua porta para a Coreia do Norte, a única maneira de ter contato direto com sua família. Ele usa o polegar para digitar o número. Mais do que isso ele não faz, pois ligar é muito perigoso. Seu pai e sua mãe devem entrar em contato com ele. A Bíblia de Pil-Soo já está na mesa da cozinha. Enquanto ele silenciosamente come seu macarrão de arroz, Pil-Soo lê a Bíblia. Quando ele chega ao infanticídio em Belém, Pil-Soo lembra das imagens dos cadáveres de crianças na cidade de onde ele vem. O ponteiro pequeno do relógio passa o dígito “9”. Hora de caminhar para a igreja.

Eun-Yeong

Como todas as manhãs, Eun-Yeong acorda cedo. A luz amarela fraca do tubo fluorescente é refletida no teto de aço do quartel no campo de prisioneiros. Na verdade, ela quer se levantar e se ajoelhar para começar o dia com uma oração. Mas ora deitada na cama. Antes mesmo de dizer uma palavra a Deus em silêncio, uma lembrança dela vem à mente: Seu primeiro marido, suas filhas com 18 e 12 anos e filhos de 10 e 9 conversavam alto alegremente, enquanto comiam e bebiam. Sopa, arroz e carne eram abundantes. Ao lado do prato de Eun-Yeong estava a Bíblia, da qual eles acabaram de ler. Eun-Yeong fecha os olhos e enxuga as lágrimas que corriam pelas bochechas. É uma lembrança de um momento que nunca aconteceu.

Pil-Soo

Na chegada, Pil-Soo cumprimenta os outros visitantes. Ele se senta na parte de trás de um canto que geralmente fica vazio. Quando o pastor Choi entra, ele acena para o visitante norte-coreano. É um aceno de entendimento. Além de Choi, ninguém nesta igreja sino-coreana sabe alguma coisa sobre os antecedentes de Pil-Soo. Pil-Soo esfrega o tecido macio da cadeira ao lado dele com a mão. O pai e a mãe dele, idosos, estariam aqui no próximo ano? Ainda há tempo para lhes contar sobre a vinda do Filho do Homem e o sacrifício que Ele fez por Pil-Soo e inúmeras outras pessoas? Ele deve orar hoje, pedir a Deus que os deixe sobreviver no inverno vindouro. Choi gesticula para que as pessoas se levantem para a primeira música.

Eun-yeong

Outras imagens passam pela cabeça de Eun-Yeong. Ela vê a filha mais velha e a si mesma em pé no túmulo do primeiro marido. Depois vêm as memórias de atravessar o rio para a China, o sequestro de contrabandistas de seres humanos, o casamento forçado com um alcoólatra chinês, o nascimento de três filhos, o acidente em que sua filha de 12 anos morreu, o aparecimento na China dela agora crescida, a filha norte-coreana e sua própria prisão. Ela fecha os olhos ainda mais e tenta se concentrar em coisas bonitas: No momento em que ela começou a entender a Bíblia e as conversas que teve com seus filhos sobre Jesus Cristo. Ela sabe: um dia ela estará sentada na mesma mesa com todos eles.

Pil-Soo

Pil-Soo pede desculpas a alguns outros frequentadores da igreja enquanto se esquiva para a saída. Ele pula a ceia de Natal. Ele gosta desses cristãos, mas não pode falar abertamente sobre seu passado. O contato social é arriscado. Ele passa esse dia de Natal sozinho. Talvez seus pais liguem hoje. Então, ele lhes contará sobre o nascimento do Salvador? Muito perigoso. Além disso, eles não o entenderiam. Pil-Soo eleva seus olhos para o céu. “Quando você voltará, Senhor?”

Eun-yeong

Os outros tubos fluorescentes acendem um a um e despertam os outros prisioneiros, que se levantam imediatamente. Eun-Yeong permanece deitada. Não se levanta ainda. Esse momento entre dormir e sair da cama é dela e de Deus. Por um momento, parece que ela está livre e tem seus filhos com ela. Talvez ela não sobreviva ao campo de trabalhos forçados da China e não veja seus filhos novamente nesta vida. Uma coisa que os guardas chineses não podem tirar dela: sua fé no Filho de Deus, que veio ao mundo para salvar o homem. Ele enxugará todas as lágrimas de seus olhos.

Eun-yeong

A noite caiu e os prisioneiros exaustos e famintos estão cambaleando no quartel vazio e frio. Eun-Yeong anseia por um banho. Faz um ano desde a última vez que ela tomou um banho quente. Ela não pode pensar nisso agora. Os prisioneiros se ajoelham e com a cabeça inclinada ouvem o guarda lendo o jornal para eles. “Hoje é 25 de dezembro”, ele começa. 25 de dezembro! O dia favorito do ano de Eun-Yeong, o Natal, o nascimento de seu Salvador. Por um momento, ela se permite pensar na única história de Natal, mas precisa prestar atenção. Caso contrário, ela será punida. E ela quer dormir. O corpo e a cabeça dela estão pesados. “Algum dia, Senhor, permita-me celebrar o Natal em liberdade com minha família”.

Este artigo é baseado em pessoas e situações reais. Pil-Soo está atualmente em um abrigo da organização cristã Portas Abertas e recebe acompanhamento e estudo bíblico, enquanto Eun-Yeong está como prisioneira em um campo de trabalho forçado desconhecido na China, e a Igreja local cuida de seus filhos.

Você está orando por eles e pelas centenas de milhares de outros cristãos norte-coreanos neste Natal?

“A oração não é uma preparação para a batalha; oração é a batalha.”
Autor: Anne van der Bijl, fundador da Portas Abertas e conhecido no Brasil como ‘Irmão André’.

A Portas Abertas preparou um livreto de oração que desafia você a viver 30 dias de oração pela Coreia do Norte, descobrindo mais sobre essa nação e vivenciando parte do que eles enfrentam. Confira neste link mais informações de como fazer o download do livreto.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Governo

Vice disse que 'ruídos' durante a pandemia não prejudicaram a diplomacia junto ao país comunista.

Mundo

Comunicado foi feito fora do país; presidente americano está em Seul, na Coreia do Sul.

Mundo

Regime comunista ordenou isolamento a mais de 187 mil pessoas no país.

Mundo

Professores devem abordar 'pobreza, fome, migração e violência' ocorridos em regimes comunistas.