Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Internet em Cuba será mais censurada com nova lei ‘anti fake news’

Nova resolução do regime comunista visa inibir publicações que atinjam dirigentes do governo cubano.

Ricardo IV Tamayo | Unsplash

Em meio ao colapso econômico causado pela pandemia da Covid-19, a ditadura comunista de Miguel Díaz-Canel avança para suprimir totalmente os fluxos de informação gratuita pela internet em Cuba.

Trata-se da Resolução 105. O nome da nova lei é: “Modelo de Ação Nacional para Responder a Incidentes de Segurança Cibernética”. A medida faz parte das respostas do regime aos protestos sem precedentes do povo cubano em 11 de julho.

À medida que o país sucumbe à crise econômica e requer assistência humanitária internacional, as prioridades de Díaz-Canel o levam a reprimir ainda mais a liberdade de expressão da ilha.

A resolução classifica como crimes “a divulgação de notícias falsas” e o “ciberterrorismo”. Essas e outras novas classificações de delito até agora não tinham respaldo legal na ilha para processar os alvos dos opositores do governo castrista.

A norma visa inibir a divulgação de “mensagens ofensivas”, bem como “difamação com impacto no prestígio do país” como danos éticos. E pondera se eles são divulgados através de redes sociais ou outros meios.

O diretor de Cibersegurança do Ministério das Comunicações cubano, Pablo Domínguez Vázquez, disse que a regra também inclui “conteúdos que violam os preceitos constitucionais, sociais e econômicos do Estado”.

Também aqueles que incitam “mobilizações ou outros atos que alterem a ordem pública”. Da mesma forma, mensagens que fazem “apologia à violência” ou “afetam a privacidade e a dignidade das pessoas”.

Terrorismo cibernético

A nova resolução reconhece o “ciberterrorismo” como aquelas ações por meio do uso das Tecnologias de Informação e Comunicação, cujo objetivo é “subverter a ordem constitucional”. Também qualquer ação para “suprimir ou desestabilizar gravemente” o funcionamento das instituições políticas.

A definição também inclui pressão sobre “as estruturas econômicas e sociais do Estado, ou obrigar os poderes públicos a praticar um ato ou se absterem de fazê-lo”.

Domínguez Vázquez especificou que, embora o regime comunista cubano não tenha um contrato de prestação de serviços com plataformas de mídia social, irá registrar e notificar os atos descritos acima como “violações”.

Vigilância em redes

“Quando essas pessoas são identificadas [que infringem a Resolução 105] e estão no país, as contravenções são impostas. Com esta nova lei, o Estado cubano passa a ter registro de todos esses incidentes”, acrescentou.

A norma legal associa os “incidentes de segurança cibernética” a tipificações que ultrapassam os limites da tecnologia, acrescentou o responsável.

A determinação junta-se ao Decreto-Lei n.º 35, também voltado para o controle das telecomunicações. As duas medidas buscam desmontar a possibilidade de outro levante popular como o de 11 de julho. Além disso, a nova norma segue a aprovação de uma emenda pelo Senado dos Estados Unidos para fornecer internet em Cuba.

O Escritório de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos Estados Unidos e do embaixador do Reino Unido em Havana, Dr. Antony Stokes, reagiu na terça-feira (17) ao Decreto-Lei 35 e Resolução 105 do governo cubano, que restringem ainda mais a manifestação de pensamento na ilha caribenha.

“As perseguições, as detenções de manifestantes pacíficos, os julgamentos sem o devido processo e a censura hoje consagrada pelo Decreto-Lei 35 silenciam vozes legítimas e violam convenções internacionais”, escreveu o diplomata britânico na rede social Twitter.

Com informações, Cubanet.

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Judiciário

Decisão afirma que município precisa demonstrar que retirada do item não vai comprometer combate à doença.

Judiciário

Cidade da Baixada Fluminense foi a primeira a retirar obrigatoriedade do item.

Mundo

Regime comunista diz que games devem promover “valores corretos” a serviço do PCC.

Política

Município localizado na Baixada Fluminense completou esquema vacinal de 46% da população.