Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Investigação aponta que governador de Nova York assediou 11 mulheres

Andrew Cuomo nega as alegações e diz que nunca tocou em ninguém “de forma inadequada”.

Governor Andrew Cuomo | Flickr

Após 5 meses de investigação, a procuradoria-geral apresentou, nesta terça-feira (3), a conclusão do inquérito contra o governador de Nova York, Andrew Cuomo, do Partido Democrata.

Segundo o processo, restou concluído que ele assediou sexualmente 11 mulheres. No entanto, por ter sido de natureza civil, a apuração não irá resultar em nenhuma acusação criminal.

Durante pronunciamento ao vivo, a Promotoria afirmou que, além de violar legislações estaduais e federais, Cuomo promoveu um “clima de medo” e um ambiente de trabalho “tóxico” que permitiu os casos de assédio.

“Especificamente, a investigação descobriu que o governador Andrew Cuomo assediou sexualmente ex-funcionárias e mulheres que ainda trabalham para o estado de Nova York ao tocá-las de forma não consentida e ao fazer numerosos comentários ofensivos”, afirmou a procuradora-geral Letitia James, ao resumir o relatório de 168 páginas.

As autoridades que cuidaram do caso ouviram pelo menos 179 pessoas, tendo, entre elas, as ex-funcionárias que relataram os episódios de abuso.

Atuais funcionárias e ex-membros da Câmara Executiva, além de policiais federais, funcionários públicos e outras pessoas que interagiam regularmente com o mandatário também participaram de oitivas.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Saúde

Sistema combina três funções importantes: controle motor intuitivo, cinestesia de toque e preensão, a sensação intuitiva de abrir e fechar a mão.

Governo

Segundo o governo, trata-se de um ataque ransomware, em que os invasores geralmente pedem dinheiro em troca de dados sequestrados.

Judiciário

Ela é acusada de ser a mandante do assassinato do próprio marido.

Judiciário

Ex-deputado foi preso por decisão do ministro Alexandre Moraes, do STF.