Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Quase 8 mil manifestantes foram presos pelo governo do Cazaquistão

Protestos no país já duram uma semana

Reprodução / Mariya Gordeyeva

De acordo com o governo do Cazaquistão, quase 8 mil pessoas foram detidas após uma semana de manifestações no Cazaquistão.

“Desde 10 de janeiro, 7.989 pessoas foram detidas”, informou o Ministério do Interior em comunicado divulgado no site.

Pelo menos 164 pessoas morreram em protestos no país, segundo dados não governamentais, enquanto o governo aponta cerca de duas dezenas de mortos.

Os protestos transformaram-se em violência na semana passada e levaram a uma aliança militar liderada pela Rússia, responsável por enviar tropas ao país.

As autoridades disseram ter recuperado o controle dos edifícios administrativos ocupados pelos manifestantes, que apelidam de “terroristas” com apoio estrangeiro, embora os protestos não tenham mostrado líderes ou organizações óbvias.

O ex-chefe da agência antiterrorismo do Cazaquistão Karim Masimov foi detido por suspeita de tentar derrubar o governo, poucos dias depois de ter sido demitido do cargo de chefe do Comitê de Segurança Nacional.

Rico em hidrocarbonetos, o Cazaquistão foi abalado por onda de protestos sem precedentes desde a sua independência, em 1989, que resultaram na morte de dezenas de pessoas.

Os protestos começaram domingo (2) nas províncias, após subida do preço do gás, antes de se espalharem pelas grandes cidades, especialmente Almaty, onde as manifestações se transformaram em tumultos contra o regime.

Um contingente de tropas da Rússia e outros aliados de Moscou chegou ao Cazaquistão na quinta-feira (6) para apoiar o governo, protegendo edifícios estratégicos e colaborando na operação antiterrorista e de manutenção da paz.

Com informações, Agência Brasil.

Comentários

FALE COMIGO: davy@conexaopolitica.com.br — chefe de redação do Conexão Política e natural do Rio de Janeiro (RJ).

Política

Carlos França falou a deputados em audiência da Comissão de Relações Exteriores

Mundo

Violações semelhantes foram registradas pela Suécia na semana passada.

Mundo

Secretário-geral defende que a decisão cabe aos dois países, e Moscou não pode atrapalhar.

Mundo

Colaboração abrangerá instituições de pesquisa e educação.