Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Bolsonaro sanciona lei que endurece regras sobre seguranças de barragens

Construções pelo método a montante, como no caso de Mariana e Brumadinho, estão proibidas a partir de agora.

Barragem, Brumadinho, Jair Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos, nesta quinta-feira (1º), a Lei 14.066/20 que muda as regras sobre a seguranças de barragens.

O texto estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB) e aumenta as exigências com relação à segurança, estipulando multas administrativas, que vão de R$ 2 mil a R$ 1 bilhão, às empresas que descumprirem as normas.

Além das multas, o infrator pode sofrer penalidades que vão de advertência até a perda dos direitos de exploração mineral ou de benefícios fiscais concedidos.

A lei proíbe ainda o uso de barragens construídas pelo método chamado a montante, quando a construção ocorre por meio do acréscimo de camadas sucessivas de degraus com o próprio material de rejeito de mineração sob o dique inicial.

Esse foi o método utilizado pela Vale nas barragens de Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais, que romperam nos anos de 2015 e 2019, matando mais de 250 pessoas.

Com a nova lei, as empresas têm o prazo de até 25 de fevereiro de 2022 para descomissionar as barragens, isto é, desmontá-las. O prazo, contudo, pode ser prorrogado pela Agência Nacional de Mineração (ANM) em razão da inviabilidade técnica para a execução do serviço nesse período.

A legislação também diz que as áreas degradadas por acidentes ou desastres ambientais, como as de Mariana e Brumadinho, têm prioridade para receber recursos do Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA).

A lei determina ainda que os responsáveis pelas barragens notifiquem imediatamente o órgão fiscalizador, o órgão ambiental e o órgão de Defesa Civil sobre qualquer alteração das condições de segurança da barragem que possa implicar acidente ou desastre.

Segundo o governo, o presidente “decidiu vetar alguns dispositivos” que haviam sido aprovados no Congresso Nacional.

O chefe do Executivo impediu, por exemplo, a destinação das multas por infração administrativa à melhoria de ações dos órgãos de fiscalização.

De acordo com o parecer técnico que embasou o veto, a norma estabelecia vinculação de receita sem indicar uma cláusula de vigência, o que afronta a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

As informações são da Agência Brasil.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Congresso

Proposta prevê suspensão dos sistema até que Banco Central crie mecanismo de segurança.

Congresso

Presidente da Câmara afirma que iniciativa foge ao escopo da CPI.

Economia

Diretor da TMF Group afirma que diferentes esferas de legislação e tributação são dificuldades para empresas no país.

Governo

Governo afirma que medida não implica em renúncia de contribuição.