Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Câmara inicia sessão para votar MP da Privatização da Eletrobras

Edilson Rodrigues | Agência Senado

A Câmara dos Deputados abriu, há pouco, sessão para analisar e votar a Medida Provisória (MP) 1.031/21, que trata da privatização da Eletrobras.

A proposta chegou a entrar na pauta da sessão desta última terça-feira (18), mas o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), informou que colocaria o texto na pauta desta quarta-feira (19), após acordo entre as lideranças.

Neste momento, deputados contrários tentam obstruir a votação. Mais cedo, representantes dos partidos de esquerda disseram ter ingressado com ações no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a discussão da matéria.

Parlamentares contrários à medida também pediram a retirada da proposta da pauta. Entre os argumentos estão de que o texto não foi debatido por uma comissão mista, formada por deputados e senadores, e nenhuma outra comissão da Casa.

O pleito, no entanto, foi negado por Arthur Lira, que garantiu estar seguindo um acordo firmado com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), de encaminhar para a Casa as medidas provisórias editadas após o mês de fevereiro, até 30 dias antes final do prazo de validade da proposta.

A MP que propõe a privatização da Eletrobras, responsável por 30% da energia gerada no país, foi encaminhada para a Câmara no dia 23 de fevereiro. Lira disse ainda acreditar que houve tempo hábil para o debate.

“Houve tempo para o conhecimento de texto e a discussão, haja vista que temos 570 emendas apresentadas aos texto. Essa decisão está estribada no fato de as comissões mistas não poderem se reunir fisicamente”, disse. “Não está regulamentado o funcionamento das comissões mistas de forma remota”, acrescentou o presidente da Câmara.

ACOMPANHE AO VIVO

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Congresso

Em agosto, Corte eleitoral entendeu que político deveria estar inelegível por 8 anos.

Congresso

Desligamento do cargo deverá ocorrer quatro anos antes do pleito e valerá a partir de 2026.

Congresso

Parlamentar considerou errado documento que trazia a localização correta do estado.

Congresso

Texto foi aprovado em comissão especial em dezembro de 2018 e não foi pautado para o plenário até agora.