Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Colégio Pedro II diz que pode fechar as portas em setembro

Instituição é conhecida por ter liberado uso de saias para meninos e eventos com exaltação ao socialismo.

Reprodução

O Colégio Pedro II (CPII), no Rio de Janeiro/RJ, conhecido por ser palco de polêmicas como a liberação do uso de saias para meninos e a realização de eventos com exaltação ao socialismo, informou que terá dificuldades para manter suas atividades a partir de setembro.

A diretoria coloca a culpa no bloqueio de mais de R$ 7 milhões no orçamento destinado às despesas de manutenção. Em nota, o colégio disse que o bloqueio impede que a instituição cumpra os compromissos já assumidos.

“O colégio teve uma redução de, aproximadamente, 3,5% em seu orçamento de custeio, que tinha previsão de R$ 40.710.407 e caiu para R$ 39.313.375, com a aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA). Após o corte, o MEC ainda anunciou um bloqueio de 18,13% do orçamento de custeio, que representa R$ 7.128.795 do valor destinado ao pagamento de serviços continuados, como limpeza e vigilância, contas de água, luz, telefone e internet, compra de materiais de consumo e realização de obras de conservação”, afirmou a reitoria.

A instituição disse ainda que não recebeu recursos do orçamento previsto para investimentos, em total de R$ 989 mil, para custear melhorias nos campi e para comprar equipamentos, além de valores de emendas parlamentares de 2020. Segundo o reitor da instituição, Oscar Halac, o CPII está inadimplente, com fornecedores de obras já contratadas em torno de R$ 2 milhões.

Procurado, o Ministério da Educação informou que seu próprio orçamento sofreu cortes para 2021 e que o valor foi menor do que o do ano passado. Com isso, as unidades vinculadas à pasta foram impactadas com reduções de verba. A assessoria do MEC destacou que “mantém interlocução” com a equipe econômica do Executivo “em busca de melhoria no contexto orçamentário atual para pasta”.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Últimas

Juíza disse que não houve nenhuma mudança que justifique revogação

Judiciário

Defesa alega falta de tempo para analisar laudos juntados ao processo

Últimas

Início das filmagens estava prevista para 16 de maio.

Judiciário

Adriana Belém está detida no Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica.

----- CLEVER ADS -----