Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Governo do RJ inicia novo projeto de ocupação de comunidades

Projeto tem como objetivo integrar bairros formais e informais, por meio de ações sociais e de segurança pública.

Joshua Gresham | Unsplash

O governo do Rio de Janeiro começou no fim da madrugada desta última quarta-feira (19) a retomada do território da comunidade do Jacarezinho, na Zona Norte da cidade do Rio.

Segundo a Secretaria de Estado de Polícia Militar (SEPM), os policiais também estão atuando em comunidades próximas, como a de Manguinhos, Bandeira II e Conjunto Morar Carioca. A ocupação marca o início do projeto Cidade Integrada que o governo fluminense vai desenvolver em favelas.

As ações da corporação na região têm a participação de equipes dos batalhões da Zona Norte do Rio, do Comando de Operações Especiais (COE) e da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP).

A Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol) também atua para cumprir 42 mandados de prisão e 14 de busca e apreensão de adolescentes. De acordo com a Sepol, a ação conta com 1.200 policiais, sendo 400 civis e 800 militares.

Cidade Integrada

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, informou em seu perfil no Twitter que vai apresentar, no sábado (22), as medidas que vão integrar o projeto Cidade Integrada em duas comunidades do Rio.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, disse que apoia a iniciativa e que o município vai trabalhar junto com o estado pelo bem da população, mas ressaltou que foi informado pelo governador ontem à noite sobre a ocupação e que não houve planejamento prévio com a prefeitura.

“No entanto, não é verdade que tenha havido qualquer programação ou reuniões prévias com equipes da prefeitura a esse respeito. Aliás, diga-se de passagem, único ente da federação sempre presente com o seu serviço em qualquer canto dessa cidade”, escreveu Paes.

O porta-voz da Secretaria de Polícia Militar (PM), tenente coronel Ivan Blaz, afirmou que a segurança é o primeiro passo do projeto iniciado hoje pelo governo estadual, que segundo ele, trata-se de um novo programa social.

“São ações que visam estabilizar os terrenos para que possamos, aproveitando a experiência recente das IPPs, reacender a chama da esperança na população carioca e atender expectativas que não foram atendidas em passado recente. A ideia é aproveitar todo esse legado, toda essa experiência e podermos, assim, estabelecer uma paz e uma ordem nessas regiões que são zonas conflagradas aqui no Rio e Janeiro”, contou em um vídeo divulgado pela PM.

O projeto de instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), implantado pelo governo de Sérgio Cabral em 2008, também previa as ocupações de territórios acompanhadas de ações sociais para as comunidades, o que acabou não ocorrendo como o planejado e passou a ser apenas relacionado à área de segurança, com a presença dos PMs nas localidades.

Para o governador Cláudio Castro, a ocupação de hoje é o começo de uma transformação nas comunidades do estado. “Damos início a um grande processo de transformação das comunidades do estado do Rio. Foram meses elaborando um programa que mude a vida da população levando dignidade e oportunidade. As operações de hoje são apenas o começo dessa mudança que vai muito além da segurança”, postou no seu perfil do Twitter.

Sepol

A Sepol informou que durante a ação de retomada do território da comunidade do Jacarezinho, policiais civis da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV) prenderam em flagrante um homem, de 34 anos, pelos crimes de armazenamento e compartilhamento de material com conteúdo de pornografia infanto-juvenil.

Os agentes informaram que o pedófilo trabalha como porteiro de edifício e era monitorado pelo setor especializado da DCAV para o combate a abusos sexuais contra crianças e adolescentes por meio da rede mundial de computadores. Nas investigações, os policiais utilizaram a tecnologia CRC (Child Rescue Coalition), que é utilizada para o combate a crimes deste tipo.

“Ao chegarem na residência do criminoso para cumprir o mandado de busca e apreensão, os policiais fizeram uma análise prévia do material apreendido – computador, celular e HD externo – e constataram o flagrante. Na ocasião, o homem, inclusive, estava fazendo download de conteúdo pornográfico infanto-juvenil”, completou a secretaria, acrescentando que o preso foi encaminhado à Cidade da Polícia e, após procedimentos de praxe, será apresentado à Justiça.

Com informações, Agência Brasil.

Comentários

FALE COMIGO: davy@conexaopolitica.com.br — chefe de redação do Conexão Política e natural do Rio de Janeiro (RJ).

Judiciário

Adriana Belém está detida no Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica.

Últimas

Flagrada com R$ 1,7 milhão, Adriana Belém passou a noite na Corregedoria da Polícia Civil.

Política

Foram apreendidos quase R$ 2 milhões na residência de Adriana Belém

Política

Vereador carioca responde a uma ação no Conselho de Ética por quebra de decoro.