Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Inquérito sobre TSE: PF vê indícios de crime e aponta atuação ‘direta’ e ‘consciente’ de Bolsonaro

Ao STF, AGU diz que dados exibidos pelo presidente não estavam em sigilo.

Isac Nóbrega | PR

Em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Polícia Federal (PF) afirmou enxergar indícios de crime e atuação ‘direta’ e ‘consciente’ do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao supostamente vazar dados sigilosos em uma transmissão ao vivo nas redes sociais.

A acusação informal é trazida em um despacho assinado pela delegada Denisse Dias Ribeiro, responsável pela investigação que foi aberta mediante ordem do ministro Alexandre de Moraes.

No texto, o órgão diz que há indícios de delito na conduta de Bolsonaro, do tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid — ajudante de ordens do presidente — e do deputado federal Filipe Barros (PSL-PR). Na ocasião, em agosto do ano passado, os três participaram de uma ‘live’ por meio das plataformas digitais.

Apesar de o relatório ter sido enviado ao Supremo em novembro, o documento se tornou público nesta sexta-feira (28), após Moraes decidir retirar o sigilo do inquérito.

Em seu escrito, a delegada Denisse assegura que não pediu o indiciamento do chefe do Executivo e de Filipe Barros porque há divergência, na Suprema Corte, sobre a possibilidade de a PF indiciar um político com foro privilegiado.

“Da mesma forma, a materialidade está configurada por meio da realização da própria live e dos links de disponibilização do material, situação que também não foi negada pelas pessoas ouvidas”,  alega trecho da manifestação.

O outro lado

Nesta sexta, ao protocolar um recurso no Supremo Tribunal Federal (STF), a Advocacia-Geral da União sustenta que o presidente não vazou documentos sigilosos porque, segundo o texto, no dia em que o mandatário compartilhou as informações, em 4 agosto de 2021, os autos do inquérito ainda não estavam sob segredo de justiça.

“O sigilo tão-somente restou decretado posteriormente à realização da live (04/08/2021)”, argumentou a AGU no recurso.

“Indagado se referido inquérito constava no sistema de polícia judiciária da Polícia Federal com a etiqueta ‘sigiloso’, respondeu QUE não constava, que desde a sua instauração não foi cadastrado tanto no sistema SISCART, quanto no Epol a etiqueta ‘sigiloso’”, assegura outro trecho da oitiva.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Política

Na sondagem espontânea, presidente da República lidera.

Judiciário

7 dos 11 ministros já manifestaram votos contrários.

Política

Apresentador de TV será aliado na chapa de Tarcísio Freitas ao governo de São Paulo.

Últimas

Operação Cannabis Furari é decorrência da Acesso Noturno, deflagrada em dezembro de 2021.