Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Não sei se seria eleito presidente sem o voto eletrônico, diz Lula

Declaração ocorreu em entrevista à radio Aparecida.

Rio de Janeiro - Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa do lançamento da campanha Se é público é para todos, organizada pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concedeu uma entrevista à radio Aparecida na quarta-feira (11) e comentou sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19, do chamado ‘voto impresso auditável’, rejeitada pelo plenário da Câmara dos Deputados.

Lula [vídeo ao final da matéria] voltou a tecer críticas ao longo processo de defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o tema. Para o petista, a pauta visava “tentar trazer de volta o tempo dos dinossauros”.

“O próprio presidente Bolsonaro e sua família sempre foram eleitos pelo voto eletrônico e nunca reclamaram. A única eleição que houve fraude foi a dele porque foi mentirosa com base em milhões e milhões de fake news”, disse [min 1:18].

Ainda sobre o tema, o ex-presidiário reforçou apoio ao atual processo eletrônico de votação.

“Sou favorável ao voto eletrônico porque não sei se não fosse isso eu teria um dia sido presidente da República nesse país”, completou [min 1:44].

Para Lula, o Congresso Nacional tomou a decisão correta não prosseguir com a proposta. Na sequência, ele disse que a quantidade de parlamentares a favor da PEC, que totalizou 229 votos positivos, reflete o retrato do forte conservadorismo no Parlamento.

“Nós temos possivelmente o Congresso mais conservador desde a proclamação da República. Um Congresso que tem muitos militares, muito ex-sargento, ex-cabo, ex-coronel que defendem liberar arma pra todo mundo e não acredita na educação”, completou [min 2:36].

Comentários

Conexão Política é um veículo digital inteiramente comprometido com a cobertura e a análise das principais pautas sobre política nacional e internacional | contato@conexaopolitica.com.br

Política

A partir de 31 de outubro, ex-juiz pode romper vínculo com consultoria estrangeira.

Política

Levantamento coloca deputado do PSB com 25% e atual governador com 18%.

Política

Objetivo é formar 'grande bloco' de esquerda.

Política

De volta ao Brasil, ex-juiz segue em agenda para analisar eventual disputa em 2022.