Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Projetos sobre combustíveis devem tramitar rápido no Senado

Pressão popular tem chegado incomodado os parlamentares.

Agência Brasil

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), tem sinalizado que vai colocar em pauta o Projeto de Lei Complementar (PLP) 18/2022, para reduzir os preços dos combustíveis ao consumidor. Atualmente, o projeto está na Câmara, mas Pacheco ventila que deve discutir o tema.

O projeto propõe a desoneração de tarifas de energia, telecomunicações e transportes, e tramita junto com o PLP 211/21, que estabelece limite para a tributação dos bens essenciais, especialmente energia, petróleo, telecomunicações e gás. Os textos estão em regime de urgência e podem ser votados pelo plenário a qualquer momento.

A tramitação dos projetos foi pauta de uma conversa entre Pacheco e o presidente da Câmara, Arthur Lira, ocorrida ontem (19). Após o encontro, o senador foi ao Twitter comentar sobre o episódio.

“Comprometi-me a levar aos líderes o tema que pode contribuir para a redução do impacto dos tributos estaduais sobre o preço dos combustíveis. Ressaltei, também, a importância da conta de estabilização, aprovada no Senado, no PL 1472/21, como medida a ser considerada pela Câmara”, disse, na rede social.

O PL 1472/21 foi aprovado no Senado em março e seguiu para a Câmara. O projeto altera a forma de cálculo do preço dos combustíveis, além de criar uma Conta de Estabilização.

O texto também estipula que os preços dos combustíveis derivados de petróleo praticados no país tenham como referência as cotações médias do mercado internacional, os custos internos de produção e os custos de importação.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Congresso

Instalação do colegiado ainda depende de Pacheco, que precisa ler o documento em plenário.

Congresso

Líder da oposição obteve 28 assinaturas para investigar o Ministério da Educação.

Últimas

Litro do diesel comercializado nas refinarias teve aumento de 14,26%

Congresso

Texto sustenta que itens são essenciais e, por isso, imposto não pode ultrapassar a marca dos 18%.