Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Cidade de SP libera vacinação contra gripe para todas as faixas etárias

Ampliação da campanha ocorre em meio à baixa procura pelo imunizante nos postos de saúde.

Breno Esaki | Agência Saúde DF

A partir desta terça-feira (28), moradores da cidade de São Paulo (SP) com mais de seis meses de idade que ainda não tomaram a vacina contra o vírus Influenza em 2021, poderão procurar um posto de saúde para receber o imunizante. A vacinação será garantida enquanto durarem os estoques.

Até então, a vacina contra o vírus Influenza, causador da gripe, era aplicada apenas em idosos maiores de 60 anos, crianças entre seis meses e cinco anos, grávidas e puérperas.

Mas com o aumento dos casos de gripe e a baixa procura por esse imunizante nos postos, a prefeitura decidiu ampliar o público para tentar diminuir os casos de doenças respiratórias, que tem provocado um aumento significativo na demanda por atendimento nas unidades de saúde da capital.

O vírus influenza é uma doença infecciosa febril aguda que pode trazer maior risco de complicações para grupos mais vulneráveis, como idosos. A doença pode evoluir para formas mais graves e até óbito.

Segundo especialista da saúde, a vacina contra a gripe não previne contra a nova cepa que tem circulado nos últimos meses, chamada de Darwin (H3N2), mas é importante para prevenir a forma grave da doença, além de outras gripes.

A vacinação ocorre nas 469 Unidades Básicas de Saúde (UBSs), drive-thrus, megapostos e farmácias parceiras, ou seja, nos mesmos locais onde estão sendo aplicadas as vacinas contra a covid-19. A lista dos postos pode ser consultada na internet.

Com informações, Agência Brasil.

Comentários

FALE COMIGO: davy@conexaopolitica.com.br — chefe de redação do Conexão Política e natural do Rio de Janeiro (RJ).

Política

‘Terceira via’ segue distante dos dois melhores pontuados.

Enquetes

Você votaria em Sergio Moro para ocupar uma vaga de deputado federal por São Paulo?

Saúde

Comitê Científico avalia que a medida não aumentou número de casos no estado.

Política

Rio de Janeiro e Brasília saíram do top 10.