Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Cientistas chineses pedem liberdade de expressão em seu país

Em uma carta aberta, cientistas chineses estão pedindo mais liberdade de expressão em seu país. A carta segue a morte do médico, Li Wenliang, que já havia alertado sobre o vírus em dezembro, mas foi silenciado pela polícia comunista chinesa.

Wenliang foi obrigado a assinar um “documento de silêncio”, no qual “confessou” culpa por “espalhar boatos” e prometeu abster-se de fazê-lo.

O médico morreu na semana passada após ser infectado no hospital onde trabalhava. Os autores propõem declarar o dia da sua morte, 6 de fevereiro, como o Dia da Liberdade de Expressão.

 “Somente a mudança é o melhor memorial para o Dr. Li Wenliang”, disseram os professores Zhang Qianfan e Tsinghua Xu Zhangrun, da Universidade de Pequim.

A carta é endereçada ao Congresso Nacional do Povo e ao Comitê Permanente do Partido Comunista, informou a Radio Free Asia.

Em uma segunda carta aberta, o ex-professor Ai Xiaoming, da universidade Sun Yat-sen, pede para que o governo chinês reconheça o erro em memória ao falecido Dr. Wenliang.

O ex-professor afirma que a “segurança política” foi tratada como uma prioridade maior do que o combate da atual epidemia.

Comentários

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Economia

Ativos financeiros globais buscam uma recuperação.

Mundo

É o que diz um documento do Instituto de Pesquisa Estratégica da Escola Militar da França.

Governo

Medida “garante a liberdade nas redes sociais”, diz Palácio do Planalto.

Saúde

Dados da Fiocruz indicam menor média de óbitos desde dezembro de 2020.