Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

“Houve má-fé, desrespeito e abuso”, diz diretor da Anvisa, sobre argentinos

Com homens da Polícia Federal, jogo foi paralisado aos seis minutos de primeiro tempo.

Reprodução | TV Globo

O diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Alex Machado Campos, disse que houve má-fé, desrespeito e abuso por parte da delegação da seleção argentina, no episódio que levou o encerramento do jogo de ontem (5) contra o Brasil pelas eliminatórias da Copa do Mundo.

De acordo com o regimento sanitário brasileiro, viajantes estrangeiros que tenham acessado o território do Reino Unido, África do Sul e Índia, nas últimas duas semanas, estão impedidos de ingressar no Brasil. A medida visa, segundo as autoridades, evitar a disseminação da variante delta do coronavírus.

Os quatro jogadores argentinos, contudo, prestaram informações falsas e incompletas para não serem impedidos.

“Na minha opinião, houve deliberada má-fé, e depois uma reiteração de desrespeito não só à agência, mas às autoridades sanitárias do país, à Secretaria de Saúde de São Paulo, que atuou em conjunto com a Anvisa. Eles deliberadamente resolveram não cumprir a quarentena”, pontuou o diretor da Anvisa.

Ainda segundo ele, houve algumas tentativas para solucionar a situação antes do início do jogo, visando impedir a atuação os quatro jogadores que estavam de forma irregular.

“O cara mentiu. Depois vai para a quarentena, não vai. Fica no discurso de que vai conseguir uma excepcionalidade. Vai até o jogo, peitando, desafiando, desrespeitando, e escala os jogadores. É um abuso o que aconteceu. Infelizmente culminou com o fim do jogo, que não era o que queria a Anvisa. A Anvisa queria apenas segregar os quatro jogadores”, acrescentou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Saúde

Imunizantes cumprem quesitos de qualidade, eficácia e segurança, diz equipe técnica.

Últimas

Bolsonaro respondeu carta divulgada por Antonio Barra Torres

Últimas

Em nota, Torres afirma que chefe do Executivo deve pedir investigação caso haja “menor indício de corrupção”.

Últimas

No Brasil, apenas a vacina da Pifzer tem aprovação para uso pediátrico