Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

PF deflagra operação contra desvio de verbas da Covid-19

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (29) a Operação Virus Infectio, para combater desvio de recursos públicos que deveriam ser utilizados no enfrentamento ao coronavírus, no estado do Amapá. A ação contou com a participação do Ministério Público Federal (MPF) e da Controladoria Geral da União (CGU).

Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, um na residência dos sócios de uma empresa de equipamentos hospitalares e outro na sede da empresa, que foi contratada para o fornecimento dos insumos utilizados pelas equipes assistenciais de prevenção e combate à pandemia.

As investigações apontaram fortes indícios de superfaturamento na aquisição de equipamentos de proteção individual, em pelo menos seis dos quinze itens comprados, através de contrato firmado pelo Fundo Estadual de Saúde do Amapá (FES), por meio de dispensa de licitação.

Verificou-se também indícios de superfaturamento em lotes de materiais de proteção hospitalares, mostrando variações de valores significativas, com destaque para as máscaras duplas e triplas que atingiram patamares de 814% e 535% de sobrepreço, respectivamente.

Ainda, conforme se apurou, o valor pago à empresa contratada pelos itens analisados foi de aproximadamente R$ 930 mil, no entanto o valor de referência seria de quase R$ 291 mil, o que mostra que foram gastos cerca de R$ 639 mil a mais em relação aos preços médios praticados no mercado nacional.

Os investigados poderão responder, na medida das suas responsabilidades, pelos crimes de fraude à licitação e integrar organização criminosa, e, se condenados, poderão cumprir pena de até 14 anos de reclusão.

Com informações, Agência Brasil.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Últimas

Confirmação foi feita por meio de exame a partir da arcada dentária.

Política

Menos de dois meses após flexibilização, uso do item em locais fechados volta a ser exigido.

Mundo

Um ano atrás, a entidade considerou a hipótese como "extremamente improvável".

Judiciário

Secretarias de segurança deverão se manifestar em 15 dias.