Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Polícia investiga se arma usada para matar Marielle foi jogada ao mar

Homem contou que, a 1.800 metros da costa, um suspeito se livrou de arsenal na época do assassinato da vereadora do PSOL do Rio.

Marielle, Marielle Franco,

O depoimento de uma testemunha levantou a possibilidade de que a arma usada para matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes teria sido jogada ao mar na Barra da Tijuca.

A testemunha seria um barqueiro, contratado por um cúmplice de Ronnie Lessa para ajudar a se desfazer de diversos armamentos, entre eles a arma que matou a vereadora e o motorista.

As informações foram divulgadas nesta terça-feira (2) pela Polícia Civil.

A testemunha depôs na Delegacia de Homicídios, na presença de integrantes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público.

Segundo as informações prestadas, as armas foram jogadas ao mar, no arquipélago das Tijucas, logo após a prisão de Ronnie Lessa, acusado de ter atirado contra Marielle e Anderson.

Em nota, a Polícia Civil informou que quatro suspeitos e testemunhas foram ouvidos nesta semana, na Delegacia de Homicídios sobre o descarte das armas.

Em março e abril, equipes da Marinha e do Corpos de Bombeiros realizaram buscas com auxílio de sonar no mar onde o armamento teria sido jogado, mas nada foi encontrado.

Marielle e Anderson foram mortos na noite de 14 de março de 2018.

Estão presos no Presídio Federal de Mossoró (RN), o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz, acusados de matar a vereadora e o motorista.

Com informações, Agência Brasil 


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público »APOIAR

Comentários

Conexão Política é um veículo digital inteiramente comprometido com a cobertura e a análise das principais pautas sobre política nacional e internacional | contato@conexaopolitica.com.br

Saúde

Vida marinha se recuperou em três anos após erupção do Vulcão Tagoro.

Judiciário

Investigação teve início em 2020 e flagrou notas frias para atestar serviços não prestados por empresas.

Últimas

Dados são de estudo feito pelo Instituto de Segurança Pública entre 2016 e 2020.

Judiciário

Três pessoas morreram e seis ficaram feridas durante o crime.