Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Governadores pedem que Gilmar suspenda decisão de Mendonça sobre ICMS

Estados afirmam que despachos conflitantes foram proferidos pelos ministros.

Rosinei Coutinho | SCO | STF

Todos os procuradores dos 26 estados e do Distrito Federal assinaram uma petição a fim de que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), anule parcialmente a decisão do colega André Mendonça em torno do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Conforme noticiado por este jornal digital, Mendonça determinou em caráter liminar que o tributo estadual para combustíveis deve ser uniforme em todo o Brasil a partir de 1º de julho.

Os representantes jurídicos dos governadores, no entanto, argumentam que a determinação monocrática contraria uma decisão anterior sobre o assunto proferida por Gilmar em uma outra ação.

“Torna-se imprescindível que seja definido por essa Corte, do limite de atuação de cada um dos Relatores e qual das decisões os Estados peticionantes deverão seguir, a partir de 1º de julho de 2022”, diz trecho do pedido. “A jurisprudência dessa Corte Suprema rechaça completamente a tentativa de um ministro, monocraticamente, contrariar a decisão de outro ministro”, alega a petição.

“Ao que tudo indica, qualquer que seja a deliberação dos estados e do DF, acerca da fixação das alíquotas do ICMS incidentes sobre os combustíveis (monofásica ou não), dela não poderá resultar um valor que supere a alíquota geral fixada, no que se constitui justamente o objeto desta ADPF”, defendeu o Colégio Nacional de Procuradorias-Gerais dos Estados e do Distrito Federal (CONPEG), autor da ação.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Medida deve diminuir o valor do litro de gasolina em 48 centavos.

Congresso

Deputados votarão nesta quarta destaques a trechos incluídos no Senado.

Congresso

Texto foi aprovado por 65 votos favoráveis e 12 contrários.

Congresso

Projeto retorna à Câmara para nova análise dos deputados.