Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

CPI da Pandemia: relatório final pede 68 indiciamentos; veja a lista

Parecer foi alterado após acordo entre membros do G7 na véspera da apresentação.

Edilson Rodrigues | Agência Senado

O relatório final da CPI da Covid-19 foi apresentado nesta quarta-feira (20) pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). Ao todo, o documento indicia 66 pessoas, dentre integrantes e ex-integrantes do governo, políticos, médicos e pesquisadores, influenciadores digitais, empresários, executivos e lobistas de empresas.

Alem disso, duas empresas também foram indiciadas.

Além do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o relatório acusa de crimes seis ministros e ex-ministros do governo: Marcelo Queiroga (ministro da Saúde), Eduardo Pazuello (ex-ministro da Saúde), Braga Netto (ministro da Defesa e ex-ministro Chefe da Casa Civil), Onyx Lorenzoni (ministro da Cidadania), Ernesto Araújo (ex-ministro das Relações Exteriores) e Wagner Rosário (ministro da Controladoria-Geral da União).

Parlamentares governistas, que possuem grande engajamento na base do presidente, também estão inclusos. São eles: Ricardo Barros, Bia Kicis, Carla Zambelli e Osmar Terra Terra [em referência a sua atuação como parlamentar, não como ministro).

O relatório final da CPI também mirou os três filhos parlamentares do presidente. Estão indiciados o senador Flávio Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro e vereador Carlos Bolsonaro.

No total, foram elencados 20 crimes, do Código Penal, do Tratado de Roma (referentes à crimes contra a humanidade) e também crimes de responsabilidade.

Renan Calheiros confirmou que o texto será votado na próxima terça-feira (26) pela CPI. Se for aprovado, será enviado ao Ministério Público.

O presidente Jair Bolsonaro foi enquadrado em sete crimes comuns, previstos no Código Penal: epidemia, com resultado de morte; infração de medida sanitária preventiva; charlatanismo; incitação ao crime; falsificação de documento particular; emprego irregular de verbas públicas; e prevaricação.

Também foi imputado a ele crimes contra a humanidade, nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos. E ainda crimes de responsabilidade, passíveis de impeachment, de violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo.

Abaixo, a lista de crimes apontados contra os demais indiciados. Todos eles foram separados por grupos. Os termos inseridos foram apontados pelos membros da CPI.


Integrantes e ex-integrantes do governo

Eduardo Pazuello. Ex-ministro da Saúde e atual assessor especial do governo: epidemia com resultado morte; emprego irregular de verbas públicas; prevaricação; e comunicação falsa de crime, todos do Código Penal; crimes contra a humanidade, nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos, previstos no Tratado de Roma.

Marcelo Queiroga. Ministro da Saúde: epidemia com resultado morte e prevaricação, ambos do Código Penal.

Braga Netto. Ministro da Defesa e ex-ministro Chefe da Casa Civil: epidemia com resultado morte.

Onyx Lorenzoni. Ex-ministro da Cidadania e ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República: incitação ao crime, do Código Penal; e crimes contra a humanidade, nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos.

Ernesto Araújo. Ex-ministro das Relações Exteriores: epidemia com resultado morte e incitação ao crime.

Wagner Rosário. Ministro-chefe da Controladoria Geral da União: prevaricação.

Élcio Franco. Ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde: epidemia com resultado morte e improbidade administrativa (ilícito civil).

Mayra Pinheiro. Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde: epidemia com resultado morte e prevaricação; e crime contra a humanidade.

Roberto Ferreira Dias. Ex-diretor de logística do Ministério da Saúde: crimes de corrupção passiva e formação de organização criminosa; e improbidade administrativa (ilícito civil).

Marcelo Blanco. Ex-assessor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde e intermediador nas tratativas da Davati: corrupção ativa.

Airton Antonio Soligo. Ex-assessor especial do Ministério da Saúde: usurpação de função pública.

Fábio Wajngarten. Ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) do governo federal: prevaricação e advocacia administrativa.

Arthur Weintraub. Ex-assessor da Presidência da República e suposto participante do gabinete paralelo: epidemia com resultado morte.

Filipe G. Martins. Assessor especial para Assuntos Internacionais do Presidente da República: incitação ao crime.

Técio Arnaud Tomaz. Assessor especial da Presidência da República: incitação ao crime.

Roberto Goidanich. Ex-presidente da Fundação Alexandre de Gusmão  (Funag, ligada ao Itamaraty): incitação ao crime.

José Ricardo Santana. Ex-secretário da Anvisa: formação de organização criminosa.

Executivos e lobistas

Cristiano Carvalho. Representante da Davati no Brasil: corrupção ativa.

Luiz Dominguetti. Representante da Davati no Brasil: corrupção ativa.

Rafael Alves. Intermediador nas tratativas da Davati: corrupção ativa.

José Odilon Torres da Silveira Júnior. Intermediador nas tratativas da Davati: corrupção ativa.

Emanuela Medrades. Diretora-executiva e responsável técnica farmacêutica da empresa Precisa: falsidade ideológica, uso de documento falso, e fraude processual, do Código Penal; formação de organização criminosa; e improbidade administrativa (ilícito civil).

Túlio Silveira. Consultor jurídico da empresa Precisa: falsidade ideológica, uso de documento falso; e improbidade administrativa.

Francisco Maximiano, sócio da empresa Precisa: crimes de falsidade ideológica, uso de documento falso, fraude processual, fraude em contrato e formação de organização criminosa; além de improbidade administrativa (ilícito civil).

Danilo Berndt Trento, sócio da empresa Primarcial Holding e Participações Ltda e diretor de relações institucionais da Precisa: fraude em contrato e formação de organização criminosa; além de improbidade administrativa.

Marcos Tolentino, advogado e sócio oculto da empresa FIB Bank: fraude em contrato, formação de organização criminosa; e também improbidade administrativa.

Raimundo Nonato Brasil, sócio da empresa VTCLog: corrupção ativa; e improbidade administrativa.

Andreia da Silva Lima, diretora-executiva da empresa VTCLog: corrupção ativa; e improbidade administrativa.

Carlos Alberto de Sá, sócio da empresa VTCLog: corrupção ativa; e improbidade administrativa.

Teresa Cristina Reis de Sá, sócio da empresa VTCLog: corrupção ativa; e improbidade administrativa.

Marconny Albernaz de Faria, lobista: formação de organização criminosa.

Políticos

Ricardo Barros, deputado federal, do PP-PR: incitação ao crime, advocacia administrativa, formação de organização criminosa; além de improbidade administrativa.

Flávio Bolsonaro, senador, do Patriota-RJ: incitação ao crime.

Eduardo Bolsonaro, deputado federal, do PSL-SP: incitação ao crime.

Bia Kicis, deputada federal, do PSL-DF: incitação ao crime.

Carla Zambelli, deputada federal, do PSL-SP: incitação ao crime.

Carlos Bolsonaro, vereador da cidade do Rio de Janeiro, do Republicanos: incitação ao crime.

Osmar Terra, deputado federal, do MDB-RS, epidemia com resultado morte e incitação ao crime.

Carlos Jordy, deputado federal, do PSL-RJ: incitação ao crime.

Roberto Jefferson, presidente do PTB, suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Médicos e pesquisadores

Nise Yamaguchi, médica participante do gabinete paralelo: epidemia com resultado morte.

Paolo Zanotto, biólogo e participante do gabinete paralelo: epidemia com resultado morte.

Luciano Dias Azevedo, médico e participante do gabinete paralelo: epidemia com resultado morte.

Mauro Ribeiro, presidente do Conselho Federal de Medicina: epidemia com resultado morte.

Daniella de Aguiar Moreira da Silva, médica da Prevent Senior: homicídio por omissão.

Pedro Benedito Batista Júnior, diretor-executivo da Prevent Senior: perigo para a vida ou saúde de outrem, omissão de notificação de doença e falsidade ideológica; e crime contra a humanidade, previsto no Tratado de Roma.

Paola Werneck, médica da Prevent Senior: perigo para a vida ou saúde de outrem.

Carla Guerra, médica da Prevent Senior: perigo para a vida ou saúde de outrem; e crime contra a humanidade.

Rodrigo Esper, médico da Prevent Senior: perigo para a vida ou saúde de outrem; e crime contra a humanidade.

Fernando Oikawa, médico da Prevent Senior: perigo para a vida ou saúde de outrem; e crime contra a humanidade.

Daniel Garrido Baena, médico da Prevent Senior: falsidade ideológica.

João Paulo F. Barros, médico da Prevent Senior: falsidade ideológica.

Fernanda De Oliveira Igarashi, médica da Prevent Senior: falsidade ideológica.

Fernando Parrillo, dono da Prevent Senior: perigo para a vida ou saúde de outrem, omissão de notificação de doença, falsidade ideológica; e crime contra a humanidade.

Eduardo Parrillo, dono da Prevent Senior: perigo para a vida ou saúde de outrem, omissão de notificação de doença, falsidade ideológica; e crime contra a humanidade.

Flávio Adsuara Cadegiani, médico que fez estudo com proxalutamida: crime contra a humanidade.

Empresários

Carlos Wizard, empresário e participante do gabinete paralelo: epidemia com resultado morte e incitação ao crime.

Luciano Hang, empresário suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Otávio Fakhoury, empresário suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Influenciadores digitais

Allan Santos, dono do site Terça Livre suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Paulo Eneas, editor do site Crítica Nacional suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Bernardo Kuster, diretor do Jornal Brasil Sem medo, suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Oswaldo Eustáquio, jornalista suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Richards Pozzer, artista gráfico suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Leandro Ruschel, analista suspeito de disseminar fake news: incitação ao crime.

Empresas

Precisa Comercialização de Medicamentos Ltda: ato lesivo à administração pública (ilícito administrativo).

VTC Operadora Logística Ltda – Vtclog: ato lesivo à administração pública (ilícito administrativo).

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Congresso

Cúpula do colegiado entregará parecer de Renan Calheiros ao Tribunal Penal Internacional, em Haia.

Política

Vereadores apontam irregularidades na gestão do transporte público em BH.

Congresso

Grupo vai fiscalizar cumprimento de medidas indicadas no relatório.

Congresso

Presidente da Câmara diz que comissão não pode ser “instrumento inquisitorial”.