Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Governo

Futuro ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira tem duas denúncias pendentes no STF

Senador também responde a um terceiro inquérito em andamento na Corte.

Isac Nóbrega | PR

O senador Ciro Nogueira (PP-PI), líder do centrão e futuro ministro-chefe da Casa Civil, possui duas denúncias pendentes junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). Ele também responde a um terceiro inquérito ainda em andamento na Corte. Todos os casos são derivados da Operação Lava Jato e tramitam desde 2017.

Em uma das denúncias, o congressista é acusado de receber R$ 7,3 milhões da Odebrecht em troca de apoio político a causas de interesse da empreiteira. A peça foi apresentada em fevereiro do ano passado pela subprocuradora Lindôra Araújo, braço direito de Augusto Aras na Procuradoria-Geral da República (PGR).

Leia também:  General Ramos confirma reforma ministerial e já debate transição com Ciro Nogueira

A segunda peça criminal acusa o parlamentar de obstruir as investigações sobre uma suposta organização criminosa formada por integrantes do PP, sigla na qual Nogueira é presidente nacional. Segundo a PGR, ele teria atuado em conluio com deputados para dissuadir uma testemunha que prestaria depoimento à Polícia Federal (PF).

A primeira denúncia ainda não foi analisar pelo relator, ministro Edson Fachin. A segunda, contudo, já tem dois votos para torná-lo réu, em julgamento a ser retomado após o pedido de vistas do ministro Gilmar Mendes.

Com relação ao terceiro inquérito em andamento, as investigações apuram suposto recebimento de propinas pagas pelo Grupo J&F em troca do apoio do PP à chapa Dilma-Temer, em 2014. O mesmo procedimento apura recebimento de vantagens indevidas em troca do rompimento da legenda com o governo petista em 2016.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

Em outubro de 2020, criminoso saiu da prisão após liminar concedida pelo então ministro Marco Aurélio.

Judiciário

Bruno Bianco enviou parecer em ação ajuizada pelo PDT.

Judiciário

Deputado está preso por críticas e ameaças contra ministros do Supremo.

Governo

Chefe da CCJ do Senado Federal é contra a escolha do ex-AGU para o Supremo.