Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

CPAC: filho de Trump denuncia “plano da China” para o Brasil em 2022

“O que vimos no meu país é só uma planta do que vai acontecer no Brasil”, alertou.

Gage Skidmore | Flickr

Em declaração ao ‘CPAC Brasil’ neste sábado (4), Donald Trump Jr., filho do ex-mandatário americano, afirmou que o regime chinês tem “planos” para as eleições presidenciais tupiniquins de 2022.

Durante sua participação na conferência conservadora, ele mostrou preocupação com o cenário eleitoral e sugeriu que o país comunista tentará substituir Jair Bolsonaro.

“Se você acha que eles [chineses] não estão fazendo o que podem para instalar um governo socialista do qual possam manipular –alguém que acredita e pensa como eles, ao contrário de alguém que ama a liberdade– se você acha que eles não têm planos para a alternativa no ano que vem, então não está prestando atenção”, disse Trump Jr.

A participação se deu por videoconferência, uma vez que ele precisou cancelar a vinda ao Brasil depois de seu avião ser impedido de decolar por conta do furacão Ida.

“Vocês vão no caminho do socialismo ou permanecem fortemente para a liberdade? […] As exportações que vão do Brasil para a China são uma ‘linha da vida’ para a China. Então, se você não acredita que eles não estão fazendo que puderem para ter um governo socialista que eles possam manipular aí, alguém que seja suscetível suas maluquices…. se você não acha que a China tem planos para isso, para seu inimigo no ano que vem, então você não está assistindo nada”, observou.

“Não podemos cometer o erro de presumir que estamos em uma luta justa”, declarou, ao comentar sobre o processo eleitoral brasileiro. “O que vimos no meu país é só uma planta do que vai acontecer no Brasil”, acrescentou.

Comentários

FALE COMIGO: marcosrocha@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Mandatário defendeu as liberdades individuais e repudiou medidas autoritárias.

Mundo

Ataque foi gravado pelas câmeras de segurança do escritório diplomático.

Saúde

Boletim indica 12 semanas seguidas de redução no país.

Saúde

Agência destaca que ainda "não há relação causal" entre o caso e a administração da substância.