Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

G7 anuncia US$ 600 bilhões para conter avanço da China em países menores

Ideia é rivalizar com a Nova Rota da Seda, projeto chinês presente em mais de 100 nações.

Justin Trudeau | Flickr

Os líderes do G7 se comprometeram neste último domingo (26) a levantar US$ 600 bilhões em fundos públicos e privados ao longo de cinco anos para financiar a infraestrutura necessária em países em desenvolvimento e se contrapor ao projeto mais antigo e que reúne trilhões de dólares em investimentos, o Cinturão e Rota da China (BRI, na sigla em inglês).

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e outros líderes do G7 relançaram a recém-renomeada “Parceria para Infraestrutura e Investimento Global”, durante o encontro realizado este ano em Schlöss Elmau, na Alemanha.

Biden disse que os EUA mobilizarão US$ 200 bilhões em doações, fundos federais e investimentos privados ao longo de cinco anos para apoiar projetos em países de baixa e média renda que ajudem a combater as mudanças climáticas, bem como melhorar a saúde global, igualdade de gênero e infraestrutura digital.

“Quero ser claro. Isso não é ajuda ou caridade. É um investimento que trará retorno para todos”, afirmou o líder da Casa Branca, acrescentando que isso permitirá aos países “ver os benefícios concretos da parceria com as democracias”.

A Europa mobilizará 300 bilhões de euros para a iniciativa no mesmo período a fim de construir uma alternativa sustentável ao esquema da iniciativa do Cinturão e Rota da China, que o ditador chinês, Xi Jinping, lançou em 2013.

Os líderes da Itália, do Canadá e do Japão também falaram sobre seus planos, alguns dos quais já foram anunciados separadamente. O presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, não estiveram presentes, mas seus países também participam do projeto.

Nova Rota da Seda

O esquema de investimentos da China envolve iniciativas de desenvolvimento e investimentos em mais de 100 países com uma gama de projetos, que incluem ferrovias, portos e rodovias, com o objetivo de criar uma versão moderna da antiga rota comercial da Rota da Seda da Ásia para a Europa.

Em 2013, Xi Jinping apresentou a proposta, com um orçamento previsto de US$ 1 trilhão para criação de infraestruturas destinadas a fazer ligações marítimas e ferroviárias entre seu país e as demais nações do planeta.

Desde a realização do 2º Fórum da Rota da Seda, em 2019, diversos países como Cuba, Peru, Bolívia, Uruguai, Venezuela e Argentina aderiram à iniciativa de acesso a empréstimos.

Os Estados Unidos, especialmente durante o governo de Donald Trump, figuraram como um dos principais detratores do plano, alertando para o perigo que a estratégia representa para a soberania e a integridade regional dos povos.

O projeto geopolítico do regime comunista busca abrir novos mercados para suas empresas controladas pelo Estado e ao mesmo tempo lograr os recursos dos países mais vulneráveis ​​por meio de ‘armadilhas de dívida’, que basicamente consiste em endividá-los a fim de forçá-los a fazer concessões se os acordos não forem cumpridos.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Segundo Pequim, autoridades japonesas 'se comportaram mal' ao falar sobre as tensões na região.

Mundo

Ministério da Defesa taiwanês diz que China lançou 11 mísseis em águas perto da ilha.

Mundo

Ministério das Relações Exteriores russo pede aos EUA que reconheçam 'nova realidade geopolítica'.

Mundo

Há expectativa de que a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, visite a ilha.

----- CLEVER ADS -----