Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Governo da Argentina manda reabrir fronteiras aéreas para brasileiros

País vai exigir certificado de vacinação e teste PCR feito até 72 horas antes do embarque.

Prensa Presidencia | Flickr

A Argentina reabriu nesta sexta-feira (1º) as fronteiras aéreas para turistas brasileiros. No entanto, aqueles que quiserem visitar o país vizinho terão que comprovar a vacinação completa.

Só será possível entrar em território argentino 14 dias após a segunda dose ou a dose única. A informação foi divulgada pelo governo do presidente Alberto Fernández.

O país também vai exigir um teste PCR negativo realizado até 72 horas antes do embarque, além de um teste rápido com antígeno no momento de entrar no território. Também será exigido outro PCR entre o quinto e sétimo dia já dentro das fronteiras argentinas.

As autoridades sanitárias da Argentina também limitaram a entrada diária pelos aeroportos a 2,3 mil pessoas nos primeiros dias até chegar a 28 mil passageiros diários a partir do dia 11 de outubro. Esse limite será revogado quando 50% da população argentina alcançar a vacinação completa.

A reabertura das fronteiras aéreas, neste primeiro momento, é destinada apenas a turistas de países limítrofes, entre eles, o Brasil.

A partir do dia 1º de novembro, o governo argentino deve abrir as fronteiras para todos os turistas. No início desta semana, a Argentina já havia autorizado a entrada de turistas pelas fronteiras terrestres do Brasil e do Chile.

Os aeroportos do país estavam fechados para turistas de todo o mundo desde dezembro do ano passado. Em março deste ano, o governo proibiu todos os voos com destino ou origem do Brasil, México e Chile, sob a justificativa de conter a disseminação da Covid-19.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Nova flexibilização será iniciada no dia 11 de dezembro, informou o Palácio dos Bandeirantes.

Saúde

Sobre o Brasil, ela se mostrou receosa com as discussões em curso acerca da realização do Carnaval.

Mundo

Primeiro-ministro da Hungria afirmou que, com relação à pandemia, 'o difícil ainda está por vir'.

Saúde

Agência da UE também iniciou análise de um comprimido da Pfizer.