Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

“Nenhum partido matou mais pessoas que o Partido Comunista Chinês”, afirma Mike Pompeo

Gage Skidmore | Flickr

Em 1º de julho, o Partido Comunista Chinês (PCC) celebrou 100 anos no poder. Para muitos, um século de miséria para o povo chinês. Desde sua fundação, o PCC buscou ser o autor de sua própria história, escrevendo, revisando e reescrevendo acontecimentos com cada transferência sucessiva de poder na liderança de Pequim.

Tudo que permanece consistente na narrativa do partido é a omissão dos terrores causados à China e ao seu povo nos últimos 100 anos de tirania, opressão, coerção, engano e tortura.

O que falta nos livros de história do PCC são as páginas encharcadas de sangue relatando a Grande Fome, a Revolução Cultural, o Massacre da Praça da Paz Celestial em 1989, o apoio aos regimes perversos da Coreia do Norte e do Quemer Vermelho, e inúmeras outras atrocidades que resultaram em dezenas de milhões de pessoas mortas e mais 1 bilhão de oprimidos.

O ex-secretário de Estado dos EUA na gestão de Donald Trump, Mike Pompeo, se manifestou nas redes sociais sobre o centenário do partido.

“Cem anos do PCC são um século de campos de matança e genocídio. Nenhum partido político matou mais pessoas do que o PCC”, escreveu.

O ditador Xi Jinping não só lidera as festividades desta data em Pequim, mas também o genocídio em curso dos uigures étnicos em Xinjiang, a profanação da outrora livre sociedade de Hong Kong, a extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência e muitas outras atrocidades conhecidas apenas pelas vítimas e seus opressores.

Atualmente, o regime comunista continua oprimindo seu próprio povo com o uso de trabalho forçado na indústria de colheita de algodão da China, o genocídio sistemático dos uigures, e a perseguição de cristãos e outros grupos religiosos.

LIBERDADE RELIGIOSA

Nos últimos anos, a liberdade religiosa vem sido restringida cada vez mais. Tudo indica que Xi Jinping quer ser o “Novo Mao”. Sob sua presidência, a pressão sobre a igreja cristã chinesa aumentou enormemente.

Isso ocorreu, principalmente, após a introdução da nova lei religiosa, de fevereiro de 2018. As igrejas são ameaçadas com ataques durante os cultos, fechamento e demolição de prédios e prisões de pastores e evangelistas. Também foi proibido que adolescentes e crianças frequentem a igreja ou participem de acampamentos, escolas bíblicas de férias e retiros religiosos.

Em 2019, o Departamento de Estado norte-americano publicou um relatório indicando a China como um dos piores violadores da liberdade religiosa no mundo.

O Relatório sobre Liberdade Religiosa Internacional (IRF), do Escritório de Liberdade Religiosa Internacional do Departamento de Estado, detalha o status da liberdade religiosa em todos os países do mundo, elaborando abusos em países que exigem uma preocupação maior.

A organização internacional cristã Portas Abertas, por sua vez, divulgou um relatório que mostrou um número alarmante: a China saltou do 43º lugar do ranking dos piores perseguidores de cristãos do mundo em 2018 para a 17ª colocação neste ano. De acordo com o Portas Abertas, o país asiático também é apontado como ator principal nas violações da liberdade religiosa.

OPINIÃO

Na China da ditadura do PCC, o direito é definido como um aspecto de uma sociedade imperfeita. O comunismo é defensor da supremacia de um interesse coletivo sobre o individual. E, como consequência, os direitos humanos são constantemente violados naquele país.

Por isso, o aniversário de 100 anos do Partido Comunista não é motivo para celebração, “nem aqui nem na China”.

O Partido Comunista Chinês é a maior ameaça aos direitos humanos e à democracia no século XXI.

Comentários

Correspondente internacional na Europa.

Mundo

Segundo Pequim, autoridades japonesas 'se comportaram mal' ao falar sobre as tensões na região.

Mundo

Ministério da Defesa taiwanês diz que China lançou 11 mísseis em águas perto da ilha.

Mundo

Ministério das Relações Exteriores russo pede aos EUA que reconheçam 'nova realidade geopolítica'.

Mundo

Há expectativa de que a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, visite a ilha.

----- CLEVER ADS -----