Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Mundo

Política externa de Joe Biden volta a ser alvo de intensas críticas internacionais

Articulações do sucessor de Donald Trump continua recebendo gestos de desaprovação.

Adam Schultz | Official White House Photo

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, tem sido alvo de intensas críticas internacionais devido à política externa do país. As recentes decisões do democrata vêm agravando a relação entre americanos e europeus, especialmente em razão de alegações proferidas por autoridades de Bruxelas, que reivindicam três questões de caráter externo.

Entre os itens destacados estão: [a] europeus vetados nos EUA; [b] retiradas de tropas americanas do Afeganistão; [c] venda de submarinos nucleares.

No ponto primeiro ponto, Bruxelas alega que a União Europeia já autorizou a entrada de americanos em seu território, mas que Biden insiste em estabelecer lista de controle que barra a entrada de europeus.

No segundo, a retirada de tropas americanas do Afeganistão é colocada em colocada em pauta. Autoridades europeias frisam que a medida foi tomada de modo isolado, sem nenhum tipo consulta.

O terceiro e último item fala da venda de submarinos nucleares americanos para a Austrália, que acabou isolando a França, que possuía acordo assinado com os australianos. Por isso, a ação de Biden tem sido vista como ‘rasteira’ calculada contra os franceses.

Sob tensão

“As expectativas eram muito altas quando Biden assumiu, provavelmente, altas demais, além de irrealistas. O discurso dele, ‘a América está de volta’, remetia a uma era de ouro em nossas relações. Mas isso não aconteceu”, disse Carl Bildt, ex-primeiro-ministro da Suécia, em entrevista à BBC.

De acordo com Nathalie Loiseau, ex-ministra francesa de Assuntos Europeus, diversos países da UE estavam em ‘negação’.

“Eles achavam que era só esperar até que Trump fosse embora e voltaríamos ao ‘velho normal’. Mas o ‘velho normal’ não existe mais. Espero que isso sirva de alerta para nós”, destacou ela.

Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, chamou a política externa dos EUA de ‘desleal’. A fala ocorreu durante a abertura da Assembleia-Geral da ONU, esta semana.

“O que significa ‘a América está de volta’? Ninguém sabe. Os princípios básicos de uma aliança são lealdade e transparência. Hoje, sentimos falta das duas coisas. Pelo menos Trump deixava muito claro que a Europa não importava”, lamentou o belga a repórteres em Nova York.

Outro nome a manifestar repúdio foi o presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Para ele, o tratamento dado à França era ‘inaceitável’ e que, além disso, a Europa ainda aguarda explicações.

“Há muitas perguntas que precisam ser respondidas. Um de nossos membros foi tratado de maneira inaceitável. Queremos saber o que aconteceu e por quê. Primeiro é preciso esclarecer isso antes de voltar à vida normal”, reiterou.

Devido às pressões que vem sofrendo, Joe Biden conversou com o presidente da França, Emmanuel Macron, e firmou duas posições: a volta do embaixador francês a Washington, prevista para semana que vem, e uma reunião, específica em outubro, visando resolver as pendencias entre os dois países.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Mundo

Medida ocorre 5 anos depois do acordo de paz entre a guerrilha e o governo colombiano.

Política

Leo Dias diz ter tido acesso a trecho de contrato publicado por produtora de conteúdo.

Política

Com mais de 20 mil seguidores, jovem vai na contramão de outros estudantes da Federal.

Entrevista

Grupo formado no interior de SC visa denunciar violações do Estado à liberdade de culto no país.