Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Política

Barroso diz que há uma ‘espécie de cristianismo do mal’ no Brasil

Declaração ocorreu na comissão geral da Câmara para debate sobre reforma eleitoral e voto impresso.

Marcelo Camargo | Agência Brasil
Marcelo Camargo | Agência Brasil

Nesta quarta-feira (9), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, disse, durante debate na Câmara dos Deputados sobre fake news, reforma eleitoral e voto impresso, que existe “uma espécie de cristianismo do mal” no Brasil.

Barroso assegurou que ataques pessoais a autoridades não abalam as instituições.

Segundo ele, há grupos politizados “que disseminam o ódio, mentiras, teorias conspiratórias”.

“Escrevem coisas horríveis. Tem uma espécie de cristianismo do mal no Brasil, uma inovação horrorosa, em que o sujeito fala: ‘Em nome de Deus, eu quero que você morra, em nome de Jesus, eu quero que sua família seja destruída’. Quer dizer, é tão absurdo isso, pessoas totalmente do mal que invocam a religiosidade das pessoas”, afirmou aos deputados.

Na sequência, Barroso negou que estivesse fazendo menção a críticas ou mensagens de humor. Para ele, os ataques às instituições é ‘um problema’ que deve ser resolvido ‘da maneira possível’.

“Toda semana, às sextas-feiras eu sempre posto uma sugestão de livro, música e poesia. E todas as semanas, e essa é a parte divertida, me mandam ler a Constituição e a Bíblia. Justo eu que passei a minha vida lendo a Constituição e ainda sou filho de mãe judia e pai católico, de modo que eu li o Velho Testamento e o Novo Testamento“, acrescentou.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Congresso

Presidente da Câmara reuniu-se com presidente do Senado e ministro da Economia.

Congresso

Em agosto, Corte eleitoral entendeu que político deveria estar inelegível por 8 anos.

Judiciário

Jornal paulista republicou matéria do 'UOL' que foi alvo de condenação judicial.

Congresso

Desligamento do cargo deverá ocorrer quatro anos antes do pleito e valerá a partir de 2026.