Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Últimas

Japão vê disseminação inédita da Covid e recorde de casos em Tóquio

Capital do país registrou recorde de infectados com 4.166 novos casos.

Richard Atrero de Guzman | Asian Bank

O Japão alertou, nesta quarta-feira (4), que as infecções pela Covid-19 estão disparando em um ritmo inédito, e os casos novos atingiram uma alta recorde em Tóquio, aumentando as dúvidas sobre como o governo lida com a pandemia.

A variante Delta está levando a uma proliferação de infecções “nunca vista no passado”, segundo o ministro da Saúde, Norihisa Tamura, ao defender a nova diretriz de pedir aos pacientes com sintomas mais brandos que fiquem em casa, ao invés de irem ao hospital.

“A pandemia entra em uma nova fase… a menos que tenhamos leitos suficientes, não podemos levar as pessoas ao hospital. Estamos agindo preventivamente nesta frente”, disse Tamura ao Parlamento. Mas ele sinalizou a possibilidade de reverter a diretriz, já que a decisão de pedir que alguns doentes fiquem em casa gera críticas de especialistas médicos por colocar vidas em risco.

“Se as coisas não saírem como esperamos, podemos revogar a diretriz”, afirmou Tamura, acrescentando que a mudança de diretriz foi realizada para se lidar com a disseminação inesperadamente rápida da nova variante.

O Japão testemunha um crescimento acentuado de casos da doença. Tóquio relatou um recorde de 4.166 casos novos nesta quarta. Na segunda (2), o primeiro-ministro Yoshihide Suga disse que só pacientes de Covid gravemente doentes e correndo risco de agravamento serão hospitalizados, enquanto os outros se isolarão em casa.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Mundo

Regime comunista ordenou isolamento a mais de 187 mil pessoas no país.

Mundo

Primeiras ações estão previstas para o segundo semestre deste ano.

Últimas

Presidenciável do PDT entrou em isolamento e suspendeu viagens por uma semana.

Economia

Questão financeira ocupa o primeiro lugar na lista de temores da população para 2022.