Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

CPI da Pandemia ouve Marcos Tolentino da Silva

Ele é apontado como sócio oculto da empresa FIB Bank Garantias S.A..

Edilson Rodrigues | Agência Senado

A CPI da Covid ouve nesta terça-feira (14) o depoimento do advogado Marcos Tolentino, suspeito de ser o sócio oculto do FIB Bank – empresa acusada de estabelecer garantias para que a vacina indiana Coxaxin pudesse ser viabilizada e, consequentemente, tivesse contrato firmado entre o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos.

Tolentino obteve, do Supremo Tribunal Federal (STF), um habeas corpus que concede direito para que ele fique em silêncio durante o depoimento à CPI.

A Comissão apura se eventuais irregularidades na negociação para a compra dos insumos.

O contrato, que veio a ser cancelado pelo governo federal, previa um desembolso de R$ 1,61 bilhão para a compra da Covaxin, por meio de um negócio intermediado no Brasil pela Precisa – representante no país do laboratório indiano Bharat Biotech. A garantia financeira foi de 5% do valor, que reflete cerca de R$ 80,7 milhões.

De acordo com a CPI, além de não ser uma instituição registrada no Banco Central a FIB Bank entregou a garantia fora do prazo contratual. Ainda segundo os senadores que compõem a Comissão, há indícios de que Tolentino é sócio do FIB Bank por intermédio de duas outras empresas que compõem o quadro societário da empresa.

Outro fator levado em consideração é o apontamento de que Marcos Tolentino é amigo do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara.

Marcos Tolentino e o FIB Bank já negaram que tenham uma relação entre si.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Congresso

Presidente da Câmara afirma que iniciativa foge ao escopo da CPI.

Congresso

Comissão também enviará relatório final a tribunais internacionais e órgãos de controle.

Congresso

Advogado defende a retirada de "poderes imperiais" da PGR e do presidente da Câmara.

Judiciário

Determinação restringe acesso a dados confidenciais e ordena que material fique sob a guarda de Aziz.