Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

Deputado quer suspender uso do ‘Pix’ para evitar golpes e fraudes

Proposta prevê suspensão dos sistema até que Banco Central crie mecanismo de segurança.

Vindi | Divulgação

Lançado pelo Banco Central (BC) há menos de um ano, o ‘Pix’, que facilita transações financeiras, pode estar com os dias contados.

Isso porque tramita na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) um projeto que visa suspender em território paulista o uso do meio de pagamento até que a autoridade monetária brasileira desenvolva mecanismos para evitar crimes.

A proposta é de autoria do deputado estadual Campos Machado (Avante). Ele afirma que a medida é necessária para frear a escalada de golpes e fraudes envolvendo o ‘Pix’.

O texto foi protocolado no início deste mês e ainda aguarda o parecer de constitucionalidade. Especialistas acreditam que a proposta não deve avançar, pois somente uma lei federal teria efeitos contra uma medida do Banco Central.

“Em nome da segurança e da integridade física dos cidadãos, é que propomos o presente projeto de lei, suspendendo o mecanismo do Pix, que é a ‘tentação do bandido’ no momento”, diz a justificativa do PL.

Nas redes sociais, a proposta virou motivo de piada e indignação. Diversos internautas criticaram a medida, apontando interferência indevida do Estado.

“Tinha que ter uma lei punindo com multa de 10 salários mínimos toda vez que um deputado apresentasse uma imbecilidade dessas”, escreveu o usuário Lucas Sena.

“Está tendo muita batida de carro aqui na esquina de casa. Vamos proibir os carros também para proteger o cidadão”, ironizou Murilo Frazatto.

Para ter acesso à íntegra da proposta, clique aqui.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Economia

Medida adotada pela autoridade monetária visa evitar fraudes.

Economia

Previsão é que taxa Selic suba para 8,25% ao ano até o fim de 2021.

Congresso

Em agosto, Corte eleitoral entendeu que político deveria estar inelegível por 8 anos.

Congresso

Parlamentar considerou errado documento que trazia a localização correta do estado.