Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Congresso

Presidente do Senado afirma ter coragem ‘de sobra’ para disputar Presidência da República

Pré-candidato ao Planalto disse estar pronto para ser ‘protagonista de um projeto’ em 2022.

Jefferson Rudy | Agência Senado

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou nesta segunda-feira (22) que é “injusto” dizer que a Casa não se aproxima ou ajuda o governo federal.

Na visão do congressista, os senadores tiveram participação na deliberação de “medidas importantes para o país”. As declarações foram proferidas durante evento na Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“É injusto dizer que o Senado não teve, em relação ao governo, uma aproximação. Há uma equidistância, evidentemente, mas uma aproximação colaborativa, naquilo que interessa ao país, em diversos projetos”, garantiu.

Ainda segundo Pacheco, o Legislativo – por meio do Senado – se mostrou “muito assertivamente independente” nas posições que tomou em relação aos outros poderes da República.

Ao ser questionado se de fato será candidato ao Palácio do Planalto em 2022 e se terá coragem para enfrentar uma disputa presidencial, o parlamentar respondeu: “O que a vida nos exige é coragem, e eu a tenho, confesso, que de sobra”.

“Quem é capaz de ter essa respeitabilidade e essa capacidade de unir o Brasil dentro do propósito comum? Essa é a pergunta que precisa ser respondida e ela será respondida no momento oportuno”, disse, acrescentando que o Brasil precisa de “alguém que possa respeitar a direita, a esquerda, respeitar polos diferentes”.

O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, também participou do evento e, em seu discurso, afirmou estar convencido de que Pacheco “está preparado para dirigir o Brasil, se Deus permitir, em breve”.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Política

Deputado quer se oferecer aos paulistas como alternativa à polarização entre bolsonaristas e petistas.

Política

Filiação do ex-chefe do MPF ao Podemos está prevista para fevereiro.

Política

Presidente aposta em dois nomes considerados de peso para o pleito de 2022.

Política

Ex-ministro da Saúde deve tentar uma vaga no Legislativo.