Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

PF assume investigação sobre ataque a agências bancárias em Araçatuba

Três pessoas morreram e seis ficaram feridas durante o crime.

Polícia Federal, PF
Tânia Rego | Agência Brasil

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) informou, no fim da tarde desta última segunda-feira (30), que a Polícia Federal (PF) investigará a ocorrência de ataques a bancos na cidade de Araçatuba.

Cerca de 380 policiais estão na região do município, no noroeste do estado, para localizar os criminosos que atacaram duas agências bancárias no centro da cidade. Com apoio de equipes de Bauru, São José do Rio Preto e Presidente Prudente, agentes militares e civis lotados em Araçatuba participam das diligências.

Uma equipe do Grupo de Ações Tática Especiais continua em operação no município para desarmar 16 explosivos em pontos diferentes – 12 haviam sido desativados até as 17h20 desta segunda-feira. Três pessoas foram mortas durante a ação dos bandidos e seis ficaram feridas, quatro em estado grave, segundo a Santa Casa de Araçatuba.

A Polícia Militar (PM) informou que pelo menos duas agências bancárias tiveram caixas danificados por ação de explosivos e que outras agências foram alvo de disparos de arma de fogo.

“Os infratores da lei usaram transeuntes que passavam no local como escudo humano para transitar a pé e com os veículos utilizados na ação criminosa e utilizaram drones para monitorar toda a ação, tanto na chegada ao perímetro urbano quanto na fuga para a zona rural. Foram deixados explosivos em pelo menos 14 pontos da cidade, incluindo um caminhão carregado com emulsão em frente a uma das agências atacadas”, informou a PM, em nota divulgada à imprensa.

Durante a fuga, os veículos usados na ação foram deixados para trás com munição e armas de grosso calibre, como fuzis calibre .50 e 7.62, além de “miguelitos”, que são artefatos de metal utilizados para furar pneus de veículos.

Segunda a guarnição da PM em Araçatuba, ainda não há um número exato de suspeitos, “mas estima-se que a ação tenha contado com pelo menos 15 deles no centro da cidade”.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

Investigação teve início em 2020 e flagrou notas frias para atestar serviços não prestados por empresas.

Judiciário

Segundo a relatora, Lei de Drogras só pode ser aplicada se a produção for destinada ao narcotráfico.

Últimas

Dados são de estudo feito pelo Instituto de Segurança Pública entre 2016 e 2020.