Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Alcolumbre é alvo de notícia-crime por suposto esquema de ‘rachadinha’

Revista diz que ex-presidente do Senado confiscou salários de funcionárias em seu gabinete.

Marcos Oliveira | Agência Senado

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) ingressou nesta última sexta-feira (29) com uma notícia-crime contra o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Na ação, o parlamentar pede que o suposto caso de ‘rachadinha’ no gabinete do colega seja apurado. Vieira também afirma que não deseja “acusar indevidamente quem quer que seja”, mas cita os relatos de 6 ex-funcionárias que teriam atuado no esquema ilícito.

“Ainda que se deva evitar o julgamento precipitado e prevalecendo o princípio da presunção de inocência, ante a vigência do inciso LVII do artigo 5o da Carta da República, é indispensável a imediata apuração dos fatos narrados”, diz a petição.

A demanda judicial também sustenta que o presidente da CCJ não pode alegar desconhecer o que acontece em seu próprio gabinete e solicita que as ex-assessoras sejam ouvidas e que a Procuradoria-Geral da República (PGR) seja acionada para deliberar sobre o caso.

Entenda 

Reportagem publicada pela revista Veja diz que o gabinete de Davi Alcolumbre teria recebido R$ 2 milhões em um esquema de “rachadinha”.

Segundo a matéria, nomes de alta confiança do congressista recolhiam parte do salário de seis assessoras, que à época ganhavam entre R$ 4 mil e R$ 14 mil reais.

As funcionárias também entregavam ao parlamentar benefícios e verbas rescisórias as quais elas teriam direito.

O esquema teria funcionado entre janeiro de 2016 até março deste ano e, para cumprir o repasse da maior parte de seus salários, as assessoras foram direcionadas a criar conta no banco e, a partir disso, entregar o cartão com a senha para pessoas de confiança de Alcolumbre.

Em troca, recebiam uma pequena gratificação que, em alguns casos, não correspondia a 10% do salário.

Outro lado

Por meio de uma nota oficial, o ex-presidente da Casa Alta negou todas as acusações, assegurando ser alvo de uma “orquestração por uma questão política e institucional da CCJ e do Senado Federal”.

“Nunca em hipótese alguma, em tempo algum, tratei, procurei, sugeri ou me envolvi nos fatos mencionados que somente tomei conhecimento agora”, disse Alcolumbre.

Ele também afirmou considerar ‘repudiável’ a conduta de confisco de salários. Por fim, disse que irá tomar as “providências necessárias para que as autoridades competentes investiguem os fatos”.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

Segunda Turma negou recurso do Ministério Público do Rio de Janeiro.

Judiciário

Corte entendeu que processo deveria ser conduzido pelo Tribunal de Justiça.

Política

Seis assessoras repassavam maior parte do salário ao senador, afirma a Veja.

Política

Isaac Alcolumbre, segundo a PF, é proprietário de aeródromo de onde chegavam e partiam aviões com drogas.