Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Alcolumbre é alvo de notícia-crime por suposto esquema de ‘rachadinha’

Revista diz que ex-presidente do Senado confiscou salários de funcionárias em seu gabinete.

Marcos Oliveira | Agência Senado

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) ingressou nesta última sexta-feira (29) com uma notícia-crime contra o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Na ação, o parlamentar pede que o suposto caso de ‘rachadinha’ no gabinete do colega seja apurado. Vieira também afirma que não deseja “acusar indevidamente quem quer que seja”, mas cita os relatos de 6 ex-funcionárias que teriam atuado no esquema ilícito.

“Ainda que se deva evitar o julgamento precipitado e prevalecendo o princípio da presunção de inocência, ante a vigência do inciso LVII do artigo 5o da Carta da República, é indispensável a imediata apuração dos fatos narrados”, diz a petição.

A demanda judicial também sustenta que o presidente da CCJ não pode alegar desconhecer o que acontece em seu próprio gabinete e solicita que as ex-assessoras sejam ouvidas e que a Procuradoria-Geral da República (PGR) seja acionada para deliberar sobre o caso.

Entenda 

Reportagem publicada pela revista Veja diz que o gabinete de Davi Alcolumbre teria recebido R$ 2 milhões em um esquema de “rachadinha”.

Segundo a matéria, nomes de alta confiança do congressista recolhiam parte do salário de seis assessoras, que à época ganhavam entre R$ 4 mil e R$ 14 mil reais.

As funcionárias também entregavam ao parlamentar benefícios e verbas rescisórias as quais elas teriam direito.

O esquema teria funcionado entre janeiro de 2016 até março deste ano e, para cumprir o repasse da maior parte de seus salários, as assessoras foram direcionadas a criar conta no banco e, a partir disso, entregar o cartão com a senha para pessoas de confiança de Alcolumbre.

Em troca, recebiam uma pequena gratificação que, em alguns casos, não correspondia a 10% do salário.

Outro lado

Por meio de uma nota oficial, o ex-presidente da Casa Alta negou todas as acusações, assegurando ser alvo de uma “orquestração por uma questão política e institucional da CCJ e do Senado Federal”.

“Nunca em hipótese alguma, em tempo algum, tratei, procurei, sugeri ou me envolvi nos fatos mencionados que somente tomei conhecimento agora”, disse Alcolumbre.

Ele também afirmou considerar ‘repudiável’ a conduta de confisco de salários. Por fim, disse que irá tomar as “providências necessárias para que as autoridades competentes investiguem os fatos”.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Últimas

Assessoria afirma que o senador foi transferido de Brasília para São Paulo.

Política

De acordo com o governo do Amapá, ambos não se feriram e mau tempo provocou aterrissagem.

Judiciário

Segunda Turma negou recurso do Ministério Público do Rio de Janeiro.

Judiciário

Corte entendeu que processo deveria ser conduzido pelo Tribunal de Justiça.

----- CLEVER ADS -----