Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Anvisa diz que servidores sofreram ameaças e pede proteção policial

Agência afirma que ataques ocorreram após autorização de vacina em crianças de 5 a 11 anos.

Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pediu à Polícia Federal (PF) e a outros órgãos a apuração de ameaças contra diretores e servidores, além de reforçar pedido de proteção policial.

“A Anvisa informa que, em face das ameaças de violência recebidas e intensificadas de forma crescente nas últimas 24 horas, foram expedidos neste domingo (19) ofícios reiterando os pedidos de proteção policial aos membros da agência. Tais solicitações já haviam sido feitas no último mês de novembro quando a agência recebeu as primeiras ameaças”, diz a nota oficial.

Segundo o órgão, os ataques nas redes sociais surgiram após a decisão de autorizar a aplicação da vacina da Pfizer contra Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos, na última quinta-feira (16). “O crescimento das ameaças faz com que novas investigações sejam necessárias para identificar os autores e apurar responsabilidades”, acrescenta o texto.

O ofício foi encaminhado para o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno; o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres; o procurador-geral da República, Augusto Aras; o diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, e o superintendente regional da Polícia Federal no Distrito Federal, Victor Cesar Carvalho dos Santos.

A agência informou ainda que não publicará os anexos que materializam as ameaças recebidas para não expor os dados pessoais dos envolvidos, no entanto, garantiu que todas as informações foram encaminhadas às autoridades responsáveis.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Saúde

Hoje, 15 de maio, é o Dia Nacional de Prevenção das Infecções Hospitalares.

Política

Capital fluminense aplicou a substância em pouco mais da metade do público infantil.

Judiciário

Mãe da aluna alegou que a obrigatoriedade representaria cerceamento de diversos direitos.

Saúde

Produtos não estarão disponíveis de imediato nas farmácias