Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Delegado-geral de SP diz que assassino Paulo Cupertino foi preso no Paraná; polícia paranaense não confirma

Paulo Cupertino

[ATUALIZAÇÃO | 13:50h de 28/10/2020: O delegado-geral de Polícia de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes, afirmou que o assassino Paulo Cupertino Matias não foi preso nesta quarta-feira (28). De acordo com Ruy, a Polícia Militar do Paraná “se confundiu”. Ele mesmo havia anunciado mais cedo a prisão do criminoso. O Conexão Política, com base na informação divulgada pela PM de SP, chegou a noticiar que Cupertino havia sido detido. Com a nova informação oficial, alteramos a chamada contida nesta matéria. Também entramos em contato com as secretarias de Segurança de Paraná e São Paulo a fim de que informem detalhes à imprensa acerca do que causou o erro por parte das corporações.]

Cupertino é acusado formalmente pelo Ministério Público de triplo homicídio duplamente qualificado, quando há motivo fútil e recurso que não possibilita defesa das vítimas.

Ele não aceitava o namoro da filha Isabela Tibcherani com o ator.

Rafael Miguel ficou conhecido pelo seu personagem Paçoca, no último remake de ‘Chiquititas’, do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT).

Paulo Cupertino Matias tem mandado de prisão preventiva em aberto e, além de ser um dos mais procurados pela polícia de SP, também está incluído na lista da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal).

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Economia

Mercado financeiro espera por nova alta da Selic para 9,25% ao ano.

Mundo

Nesta terça-feira (30), a Rússia reiterou a parceria estratégica com o Brasil e comemorou a entrada do país, em janeiro de 2022, no Conselho...

Saúde

Sistema combina três funções importantes: controle motor intuitivo, cinestesia de toque e preensão, a sensação intuitiva de abrir e fechar a mão.

Governo

Segundo o governo, trata-se de um ataque ransomware, em que os invasores geralmente pedem dinheiro em troca de dados sequestrados.