Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Gilmar Mendes vota por anular condenação com base em fotografia

Pedido de vista de Ricardo Lewandowski adiou julgamento.

STJ | Flickr

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta terça-feira (23) para anular a sentença de um homem que foi condenado com base em reconhecimento fotográfico.

O caso começou a ser analisado pela Segunda Turma da Corte, mas após o voto de Gilmar, que é relator do processo, um pedido de vista de Ricardo Lewandowski adiou a conclusão do julgamento.

O habeas corpus foi impetrado pela Defensoria Pública da União (DPU) que, entre outras coisas, alega que o acusado foi condenado a oito anos de prisão, mas não teriam sido encontradas provas das acusações.

De acordo com o processo, o homem foi abordado pela Polícia Militar em um parque em São Paulo. A abordagem ocorreu durante a busca por criminosos que praticaram um assalto. Na ocasião, o acusado foi revistado, mas não foi encontrada a arma do crime, os objetos roubados e nada ilegal.

No entanto, os policiais tiraram uma foto dele e enviaram, por meio de um aplicativo de mensagens, para agentes que também faziam o policiamento da área e estavam com as vítimas, que o reconheceram como o autor do delito.

No entendimento de Gilmar Mendes, testemunhas oculares são sujeitas a erro e o reconhecimento deve ser usado com cautela, devendo ser corroborado com outros elementos probatórios previstos na legislação.

“No caso concreto, o reconhecimento judicial [condenação] está viciado pelo reconhecimento fotográfico realizado por WhatsApp, somado ao fato de que nenhuma outra prova há nos autos no sentido de confirmar a autoria sobre o recorrente”, argumentou.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Judiciário

PDT, PCB e PSOL questionam dispositivos da lei sancionada em julho de 2020.

Política

Presidente da CCJ não definiu data, mas arguição deve ocorrer na semana que vem.

Últimas

Ministro determinou avaliação de saúde do ex-médico, condenado por diversos estupros.

Congresso

Revogação da PEC da Bengala foi aprovada na CCJ e seguirá para comissão especial.