Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Justiça de SP autoriza que cidadão tenha documento sem indicação de gênero

Entendimento foi seguido por unanimidade pela 3ª Câmara de Direito Privado do TJSP.

Antonio Carreta | TJSP

A 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu, por unanimidade, que uma pessoa que se identifica como do gênero não-binário pode alterar seu nome a fim de que ele seja “neutro” e que seu registro civil conste a informação “agênero/gênero não especificado”.

Na primeira instância, o processo havia sido julgado extinto sem resolução de mérito, pois o juiz Fernando Henrique Azevedo entendeu que o precedente do Supremo Tribunal Federal (STF) que autoriza a mudança de gênero em documentos não especifica o gênero não-binário.

A Procuradoria de Justiça, por sua vez, concordou com a tese do juiz e apontou a falta de “previsão no ordenamento jurídico que possibilite a identificação de ‘agênero’”.

No entanto, para o desembargador Carlos Alberto de Salles, que analisou o recurso, “seria incongruente admitir-se posicionamento diverso para quem é não-binário, uma vez que, também quanto a eles, há dissonância entre nome e sexo atribuídos no nascimento e a identificação da pessoa, devendo igualmente prevalecer sua autonomia da vontade.”

De acordo com o magistrado, sexo biológico e identidade de gênero são coisas diferentes e independentes. Segundo ele, não há motivação jurídica que permita diferenciar transgênero binário, cujo direito a mudança de nome e gênero já foi reconhecido pela Justiça, de transgênero não-binário, como a pessoa que ajuizou a ação.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Últimas

Evandro de Paula já havia vencido decisão em primeira instância,

Últimas

Desembargadora entendeu que houve desrespeito ao processo legal durante tramitação na Câmara.

Últimas

Juíza disse que não houve nenhuma mudança que justifique revogação

Judiciário

Defesa alega falta de tempo para analisar laudos juntados ao processo

----- CLEVER ADS -----