Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

Moraes nega pedido da PGR para arquivar inquérito contra Bolsonaro

PGR pediu o arquivamento da ação, mas ministro decidiu manter as investigações.

Marcelo Camargo | Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou, nesta sexta-feira (5), um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para arquivar uma investigação aberta contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), por suposto vazamento de dados sigilosos da Polícia Federal (PF).

Por consequência, Moraes decidiu manter o caso aberto na Corte. Para ele, os pedidos da vice-procuradora-geral Lindôra Araújo não podem ser conhecidos por serem “impertinentes e intempestivos”.

Conforme registrou o Conexão Política, o parecer contrário ao inquérito havia sido enviado pela representante do MPF na segunda-feira (1º).

No texto, Lindôra disse ao Supremo que o ministro Alexandre de Moraes violou o sistema acusatório ao proferir novas ordens no inquérito sobre suposto vazamento de dados de investigação da PF.

— No caso concreto, o eminente Ministro Relator, data venia [com o devido respeito], acabou por violar o sistema processual acusatório, na medida que decretou diligências investigativas e compartilhou provas de ofício, sem prévio requerimento do titular da ação penal pública e até mesmo da autoridade policial que reputou concluída a investigação, além de não apreciar a promoção de arquivamento do Procurador-Geral da República — diz trecho do documento.

Com isso, a PGR voltou a defender o arquivamento da ação. Lindôra ainda negou que a atuação do chefe da PGR, Augusto Aras, tenha sido irregular ao pedir o encerramento da investigação. Com a nova manifestação, um novo cenário de turbulência deve protagonizar a República.

‘A Crise dos Três Poderes’

Também na sexta-feira, 5, a empresa Brasil Paralelo lançou a segunda parte do seu mais novo documentário: ‘A Crise dos Três Poderes’. Dividida em três episódios, a obra promete dissecar o momento de turbulência que o país atravessa.

Exclusivo para membros, o filme estará disponível na BP Select, plataforma de streaming da Brasil Paralelo. A assinatura da ferramenta custa R$ 19 mensais.

A produção conta com o posicionamento de juristas, advogados, analistas e cientistas políticos, filósofos e professores universitários, além de ex-integrantes da Suprema Corte do Brasil, como Ayres Britto e Nelson Jobim, além de figuras consagradas como Ives Gandra e Modesto Carvalhosa.

Entre as personalidades ouvidas no filme está Luiz Philippe de Órleans e Bragança, mestre em Ciência Política pela Universidade de Stanford, MBA na INSEAD em Paris, empresário e deputado federal por São Paulo.

A obra foi dirigida por Lucas Ferrugem. O roteiro do longa ficou a cargo de Flavio Morgenstern, Marcus Vinícius Lins e Rodrigo Fracarolli.

Comentários

FALE COMIGO: raul@conexaopolitica.com.br — diretor de redação do Conexão Política e natural de Recife (PE).

Governo

Chefe da nação diz ser alvo de ‘perseguição implacável’ por parte do magistrado.

----- CLEVER ADS -----