Siga-nos nas redes sociais

Digite o que você procura:

Judiciário

MPRJ denuncia policial por torturar Garotinho na prisão

De acordo com a denúncia, o agente bateu com um bastão no ex-governador e o ameaçou.

Flickr | Divulgação

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou, na quinta-feira (19), um policial militar pela suposta prática de tortura contra o ex-governador Anthony Garotinho.

O agente é acusado de submeter o político a “intenso sofrimento físico e mental”, enquanto esteve preso na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica.

De acordo com a denúncia, na madrugada do dia 24 de novembro de 2017, o militar foi à cela ocupada por Garotinho e o agrediu com golpes de um bastão semelhante a um taco de beisebol, e o ameaçou de morte.

Segundo o MPRJ, o policial ingressou na cela B4, por volta de 1h50 da madrugada, com o objeto nas mãos e uma arma de fogo na cintura, ordenando que o ex-governador descesse da cama.

Após dizer que o político “gostava de falar muito”, desferiu um golpe com o bastão no joelho de Garotinho. Após isso, ele sacou a arma da cintura e disse: “Só não vou te matar para não sujar para o pessoal aqui do lado”, referindo-se a outros presos custodiados no local, em seguida, pisou no pé de Garotinho.

As lesões provocadas pelo militar foram atestadas por meio de um acervo documental, disponibilizado no inquérito policial instaurado para apurar a agressão, em especial pelo exame de corpo de delito e pelas fotografias anexadas aos autos.

A pena prevista é de reclusão de dois a oito anos. A defesa do agente ainda não se manifestou sobre o caso.

Comentários

FALE COMIGO: marcos@conexaopolitica.com.br — editor-chefe do Conexão Política e natural de Campo Grande (MS).

Economia

Proposta de reajuste de 18% para servidores e magistrados da Justiça está em pauta.

Judiciário

Em caso de condenação, Giovanni Quintella Bezerra pode cumprir de 8 a 15 anos de reclusão.

Últimas

Evandro de Paula já havia vencido decisão em primeira instância,

Últimas

Desembargadora entendeu que houve desrespeito ao processo legal durante tramitação na Câmara.

----- CLEVER ADS -----